Não se sofre por opção, mas pela falta dela – Jair Queiroz

 

Estava indo ao mercado e ao transitar por uma avenida bem movimentada, observei uma pessoa que se arriscava andando à margem do asfalto, não pela calçada. Observei pelos trejeitos e vestimentas que se tratava de um jovem homossexual, aparentando ter algum distúrbio mental, ou provavelmente teria feito uso de alguma droga, o que não muda nada em seu quadro psicopatológico. 

Segui meu rumo refletindo sobre a situação daquela pessoa estranha, no seu sofrimento, na sua falta de autoestima, na carga de desamor que carrega… 

Ninguém adoece por prazer. Toda doença provoca dor física ou psíquica, ou as duas juntas, pois ambas se constituem no ser. Não se sofre por opção, mas pela falta dela. Se pudéssemos regredir a vida de uma pessoa sofredora como aquela que eu avistava, compreenderíamos suas razões a partir dos seus antecedentes socioafetivos iniciados no ambiente familiar e agravados através de outros relacionamentos disfuncionais pela vida a fora. 

Preconceito, rejeição, castigos, ameaças, abusos, zombaria, receita desestruturante, despersonalizante, que não mata, mas enterra vivas suas vítimas. 

Penso na incoerência de quem costuma dizer nas redes sociais que “no meu tempo não existia esse tal bullying”. Existia sim, amigo, porém vc desconhecia esse termo e não sabia que muitos loucos da sua época, muitos andarilhos, alcoolistas crônicos, ladrões e prostitutas foram vitimas dele. 

O sofrimento psíquico ê invisível aos leigos e até mesmo ao sofredor. Costumo dizer que ele age como um fantasma dos filmes de terror. Chega causando alvoroço, bate, zomba, judia e não pode ser localizado. 

A loucura é um artifício empregado pela vitima, um desvio para evitar a sucumbência. Funciona por algum tempo enquanto aquele ser vagueia como se “não possuísse alma”, mas no fim, morte comum o leva e sua “quase vida” não chega a se concretizar.
Mais tarde vi o mesmo jovem embaixo de um viaduto, conversando com algum ser tão invisível quanto ele se sente.
Pobre criatura de DEUS!

Jair Queiroz é psicólogo e policial aposentado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.