Pedro Marinho – Na sua recaptura o latrocida Sapeca de joelhos, pediu clemência.

Pedro Marinho – Na sua recaptura o latrocida Sapeca de joelhos, pediu clemência.

 

Mais ou menos no ano de 1985, como já acontecera outras vezes, o perigoso marginal oriundo do Amazonas, mais precisamente da capital Manaus, conhecido apenas por Sapeca, em razão da sua periculosidade e astucia, fugiu do 4º Distrito Policial depois de serrar as barras de ferro da cela.

Naquela ocasião, vários delegados e agentes policiais se dividiram em perseguição a Sapeca, pois em que pese ser ele um sujeito de pequena estatura, era destemido e capaz de livre cometer outros crimes e até mesmo matar para roubar, que era a sua especialidade.

Temerosos que o mesmo na ânsia de fugir fizesse novas vitimas, não faltaram esforços para a sua localização com equipes espalhadas por estradas diferentes, pois existia a informação que fugia a pé e que poderia se encontrar armado.

Certo dia com dois veículos Volkswagen, rumei com uma equipe de cerca de sete homens com destino a localidade de Abunã, pois Sapeca poderia tentar alcançar o Acre e seguíamos a pé no meio de muita poeira e os veículos vinham sempre atrás, cerca de mil metros, para evitar o barulho dos motores e assim espantar ele Sapeca caso estivesse ali por perto.

Depois de invadir propriedades e casas desertas e verificar se havia vestígios do citado fugitivo, via rádio mandávamos que o carro nos alcançasse e nós íamos mais adiante, quando novamente desembarcávamos e fazíamos o mesmo procedimento seguíamos a pé invadindo as propriedades abandonadas.  

Depois de muitos quilômetros dessa cansativa jornada, subindo e descendo dos veículos, invadindo sem sucesso várias propriedades, eis que quando nos aproximávamos de um centro de umbanda, que existia num alto do lado esquerdo da pista sentido Abunã,  avistamos parado defronte ao imóvel um individuo que parecia ser o Sapeca, quando então via rádio determinei que as viaturas lá atrás, desligassem os motores para não afugentar o individuo e neste instante dei ordem para que todos subíssemos sorrateiramente para confirmado ser o Sapeca o surpreender evitando assim qualquer reação por parte do mesmo.

Com as armas em punho, contornamos a modesta casa sem sermos vistos e fomos nos esgueirando pela lateral da mesma, até que eu surgi na frente da casa e ali vi Sapeca que tomava água num copo de alumínio, que havia solicitado a dona da casa e ele que já me conhecia do 4º D.P, [i] ao me ver, soltou o copo caiu de joelhos com as mãos na cabeça e gritou:   “Dr. Pedro Marinho, não me mate e não deixe que ninguém faça nada comigo”. Evidente que diante da covarde reação do mesmo, ninguém iria fazer nenhum mal aquele marginal, que foi preso inclusive na presença de todos que se encontravam naquela casa.

De volta ao 4º DP a prisão de Sapeca foi comemorada por todos, principalmente pelo secretário de Segurança e pelo Diretor Geral que deu os parabéns para toda equipe responsável pela prisão do perigoso marginal e as outras equipes que não mediram esforços para localizar o foragido, que anos depois foi morto em Manaus num confronto com a Policia amazonense.

 

No dia seguinte todos os órgãos de imprensa destacaram com ênfase a prisão do bandido Sapeca, tendo o extinto Jornal a Tribuna, edição guardada hoje em meus arquivos,  circulado com a interessante manchete ‘Latrocida Sapeca pede clemência ao delegado Marinho’

No final dos anos 80 me encontrava como diretor  da Polícia Metropolitana e professor da Academia, quando conheci um casal, sendo ele Jair – esquecendo agora o seu nome de família  – que era aluno-delegado e a sua esposa, estudante-agente, cujo nome me foge inteiramente a memória, ambos oriundos do Estado de São Paulo.

 

Era um casal jovem, bem aparentado e ambos meus alunos, ele no curso de delegado de Polícia e ela no curso de agente policial e se destacavam por terem um conversa bem agradável.

 

Terminado o curso na Academia de Polícia, ele em razão das boas notas obtidas na conclusão do curso, teve a opção de ficar na capital do Estado e ela por ser esposa, também foi lotada numa das delegacias da capital, salvo engano na Delegacia da Mulher. Ele Jair foi designado para trabalhar no plantão de polícia e, portanto sob a minha chefia direta.

 

No trabalho o mesmo sempre se mostrou desembaraçado e muito preparado nas lavraturas dos flagrantes e outros procedimentos sob suas responsabilidades e todas as vezes que se encontrava de plantão, mesmo existindo um coordenador que era o delegado Mauro Gomes, o mesmo fazia questão de ir até a minha sala fazer um breve relato de tudo que ocorrera, seja na jornada diurna ou noturna.

 

Certa feita, o mesmo me procurou dizendo que havia conversado com o delegado Mauro, sobre a possibilidade de permutar um dos seus plantões, pois necessitava ir até a cidade de Guajará-Mirim, onde residia uma sua tia, que ali se encontrava enferma e que ele voltaria no final de três ou quatro dias. Em razão desse pedido, Mauro o aconselhou que ele me procurasse e solicitasse tal licença, o que ele fez, sendo de pronto atendido por mim, penalizado com a situação da tia do colega delegado.

 

Dois ou três dias depois, fui informado que o delegado Jair, havia sido abordado por João Lins Dutra, o João Pomba e equipe no Porto de Guajará Mirim, tentando passar para a Bolívia com um carro marca Brasília e interpelado se disse delegado, mas se negou a se identificar, dizendo que só o faria ao delegado daquela cidade, inclusive tratando mal os policiais, tendo João diante da sua recusa, resolvido levá-lo a delegacia de polícia, tendo ele ali, mostrado seus documento pessoais e do veiculo e como até aquele momento não havia nada de roubo, o delegado o liberou mas avisou que ele na passasse o caro para a Bolívia até o esclarecimento dos fatos, tendo o mesmo aproveitado e feito a travessia do carro.

 

Poucos dias depois, chegou a informação de que tal veiculo que se encontrava em poder do delegado, havia sido roubado na cidade de Ouro Preto e ali na Bolívia havia sido trocado por drogas e que ele o delegado Jair que levou tal veiculo, não tinha parente nenhum em Guajará-Mirim e que seria testa de ferro de uma quadrilha de ladrões de automóveis, ou seja, com o documento funcional de delegado de polícia ele conseguiria mais facilmente abrir portas.  

 

Diante de tal informação, fiquei possesso, pois tal delegado havia quebrado a minha confiança e me deixado em situação bem delicada, pois tinha sido eu o responsável, pela sua liberação e viagem para Guajará.

 

Considerando que já existia um inquérito policial instaurado para apurar os fatos, preparei um documento para a Corregedoria para o devido processo administrativo e mandei buscar em casa o delegado, tendo recebido o mesmo com cara de poucos amigos e depois de lhe dizer umas boas, solicitei naquele momento sua carteira funcional e a sua arma, que ele entregou sem maiores contestações.

 

Chamado para ser ouvido tanto no inquérito penal como no administrativo, na presença do mesmo e do seu advogado fui incisivo contra o mesmo e relatei as suas mentiras e desfaçatez, sendo que na Corregedoria, numa sala bem apertada e, portanto, todos bem próximos, o advogado tentou dar uma de tranquilo e soberbo e se virando para mim, foi dizendo: ‘Doutor, se este meu cliente for demitido, eu prometo ao senhor jogar fora meu anel e rasgar meu diploma’, ao que de pronto respondi: ‘Se a demissão dele depender de mim, eu aconselharia ao senhor ao sair daqui, já jogar seu anel e diploma no Rio Madeira.

 

O fato é que tempos depois esse delegado foi demitido a bem do serviço público e a esposa do mesmo para acompanhá-lo de volta a São Paulo, solicitou a sua demissão e se foi junto com ele.

 

Tempos depois, junto com os colegas delegados Deraldo Scatalon e Silvio Machado, fomos fazer um curso de 40 dias na Academia de Polícia de São Paulo de  ‘Gerenciamento Policial’ para delegados de classe especial, vindos de toda parte do Brasil. Ali em visita ao Palácio da Polícia, tomamos conhecimento que ele o ex-delegado Jair, havia sido preso naquele  Estado de São Paulo, acusado de roubo de veículos e que se encontrava cumprindo pena no presídio policial, localizado naquele prédio da polícia.

 

Recordo que do nada, o corregedor geral da Polícia de São Paulo um delegado muito famoso e que serviu como corregedor a vários governadores daquele Estado, se virou para nós e talvez para nos testar, disse: ‘Tem aqui um colega de vocês preso por roubo de carros, gostariam de visitá-lo?” Tendo Silvio rapidamente se levantado do sofá, dizendo que sim e que gostaria de reencontrá-lo, quando educadamente fiz Silvio voltar a se sentar no sofá e virando para o corregedor lhe disse: ‘Dr. desculpe, mas devo lhe dizer que não temos colega ladrão, tanto que o expulsamos da Policia de Rondônia. Tendo o corregedor se desculpado e dito que havia se expressado mal. Logo depois encerramos tal visita.

    

Triste fim para um jovem delegado e para sua esposa agente policial, que aprovados num  difícil concurso público, poderiam ter tido um futuro profissional digno na Polícia Civil de Rondônia. 

 

OPERAÇÃO  CALVÁRIO:  QUEM NÃO DEVE NÃO TEME E NEM TREME

 

Apesar dos muitos boatos espalhados por certos veículos de nossa imprensa sobre a Operação Calvário, com muitos jornalistas querendo atribuir culpas a quem sequer foi citado na citada operação,  o Governador João Azevedo, para desespero de uma minoria, a conhecida turma do quanto pior melhor,  demonstra que não tem nenhuma preocupação com o desenrolar da citada operação, ou seja, pelo contrário o mesmo quer ver tudo em pratos limpos, respondendo cada um por sua eventual culpa. Para tanto, determinou ele o Governador a prorrogação da intervenção do Poder Executivo estadual no gerenciamento, operacionalização e oferta de ações e serviços de saúde no Hospital Estadual de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, e sua unidade de retaguarda; no Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires; e, no Hospital Geral de Mamanguape. A citada prorrogação será por mais noventa dias. Pois bem, quem não deve não teme, ou como diria um amigo desta coluna e ‘Não treme’.

 

 

VITURIANO DE ABREU DIZ QUE PREFEITO LUCIANO CARTAXO POR VINGANÇA LHE DEU CALOTE SALARIAL.

 

O ex-prefeito de Cajazeiras e ex-deputado estadual Vituriano de Abreu (MDB) denunciou nas redes sociais que vem sendo vitima de calote e vingança do Prefeito Luciano Cartaxo em virtude de no último pleito não ter votado no então candidato, o  irmão do prefeito Lucelio Cartaxo. Diz Vituriano que trabalhou sempre com dedicação na Prefeitura durante quatro anos como médico de PSF e plantonista no Trauminha e por três vezes a prefeitura de João Pessoa, renovou o seu   contrato. Agora depois do pleito de outubro, mais precisamente em dezembro de 2018,  Vituriano sem nenhuma explicação não teve o seu contrato renovado, mesmo com carência de médicos, porém, deixaram o mesmo trabalhar o mês todo de dezembro.

 

 

VITURIANO DE ABREU DIZ QUE PREFEITO LUCIANO CARTAXO POR VINGANÇA LHE DEU CALOTE SALARIAL II.

 

O fato é que quando chegou o final do mês  e Vituriano tentou receber aquele mês trabalhado,  não existia nenhum pagamento para esse  profissional médico, que ao procurar saber os motivos da não renovação do seu contrato, o mesmo percebeu que existia outro motivo e cheirava a um capitulo com cheiro de política rasteira. Mesmo insistindo, tentaram convencer ele que era em virtude de acúmulo de cargos, o que não existe, segundo o próprio Vituriano, o que ainda revelou que já entendeu e ficou bastante claro, que se trata de revanche político, em virtude de não ter votado em Lucélio para governador. Pior de tudo é que o prejudicado entrou com requerimento junto à Secretaria da Saúde pra receber o mês trabalhado de  dezembro e até hoje não recebeu nem resposta. Por fim revelou Vituriano, que um ato desses de vindita não projeta um político, pelo contrario, mancha a reputação dele como político e gestor. Se o prefeito Cartaxo age assim como um ex-prefeito e ex-deputado e médico, imagine o que não será capaz de fazer com nós pobres mortais.

 

 

NEM TUDO É PERMITIDO NAS REDES SOCIAIS, COMO IMAGINAM ALGUNS

 

Uma mulher de Campina Grande, conhecida como Rossana Andrade, foi ouvida ontem em audiência no fórum campinense. Em que pese à ré ter apagado todas as ofensas proferidas contra o ex-governador Ricardo Coutinho, como se vê na retratação que circula na net, em que tal senhora teria confessado através de post no seu Facebook que mentiu e agiu de modo leviano ao falar mal do ex-governador e até reconheceu que seu trabalho como governador mudou para melhor a vida dos paraibanos. Tem gente que imagina que nas redes sociais tudo é permitido e que não existe limites e lei para coibir os falastrões e caluniadores.

 

CÂMARA DE CABEDELO PODERÁ CASSAR DEZ VEREADORES

 

Finalmente a Câmara Municipal de Cabedelo abriu processo de cassação dos 10 vereadores que foram presos ou afastados do cargo por conta das investigações do esquema de corrupção na cidade investigado pela Operação ‘Xeque Mate’ Conforme o Regimento Interno daquela Casa de Leis os processos contra os parlamentares foram encaminhados ao Conselho de Ética da Câmara pela presidente da Casa, Graça Rezende (MDB. Os vereadores vão ser investigados por quebra de decoro. São alvos desse processo de cassação, os vereadores Jacqueline Monteiro Franca (PRP), ex-primeira-dama da cidade; Lúcio José do Nascimento Araújo (PRP), ex-presidente da Câmara; Tércio de Figueiredo Dornelas (PSL); Antônio Bezerra do Vale Filho (PRP); e Júnior Datele (PEN), que foram presos na Xeque-Mate. Podem ser cassados ainda: Josué Góes (PSDB); Belmiro Mamede (PRP); Rogério Santiago (PRP); Rosivaldo Galan (PRP) e Moacir Dantas (PP). A esperança dos cabedelenses que foram as maiores vitimas desses políticos é que esse processo se conclua antes que os mandatos se extingam em 2120.

 

RICARDO BARBOSA DIZ QUE WALBER VIRGOLINO DEVERIA FICAR CALADO

 

Sempre bem ao seu estilo, considerado por muito como bem polemico,  o deputado Ricardo Barbosa, esta semana  foi indagado, por um profissional de nossa imprensa, se o mesmo concordava com o pedido do colega, Walber Virgulino, para quer os profissionais que recebem gratificações na Assembleia Legislativa passassem a dar expediente naquela Casa de Leis. Ricardo   Barbosa nem pestanejou: “De forma nenhuma, não tem que exigir de jornalista assinar ponto aqui, o jornalista não é empregado da Assembleia. Ele tem um vínculo de cobertura do trabalho, isso é uma praxe decenáriamente sendo adotada por todos os presidentes. E ainda lembrou Ricardo Barbosa de um conselho que recebia do senhor seu pai: Eu acho o deputado perdeu uma boa oportunidade de ficar calado”. O novel deputado precisa melhorar muito o seu trabalho na Casa de Epitácio Pessoa e poderia começar, por exemplo, dando os nomes dos jornalistas que ele entende que recebem salários sem devida contrapartida de trabalho.

 

 

O RETORNO DE TROCOLLI JUNIOR A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

 

Por falar em Ricardo Barbosa, o mesmo informa que a dança das cadeiras na Assembleia Legislativa, terá prosseguimento agora no mês de maio. Segundo o mesmo, o suplente de deputado Trocolli Junior, deverá assumir a titularidade, pois ele Ricardo já conversou com o governador João Azevedo, para convocar mais um deputado da coligação e assim possibilitar o retorno do experiente político, detentor de vários mandatos como vereador e posteriormente deputado estadual e que em outubro ultimo, não obteve êxito na sua reeleição, conseguindo porem ficar numa das primeiras suplências.

 

 

VEREADOR BRUNO FARIAS DENUNCIA QUE COMERCIANTES ESTÃO SENDO EXPLORADOS PELA PREFEITURA

 

O sempre bem informado vereador  Bruno Farias denunciou  através da imprensa, que comerciantes da Beira-Rio estão sendo explorados pela Prefeitura de João Pessoa. O vereador se  referiu a uma taxa cobrada pela PMJP a vários estabelecimentos comerciais, a título de taxa de publicidade e propaganda. A denúncia dele Bruno é que o mesmo  recebeu de um empresário, cópia do boleto com a cobrança dessa taxa, no absurdo valor de R$ 3 mil. A estranheza do vereador é que o comerciante paga R$ 570,00 de IPTU e R$ 130,00 de TCR, ou seja, RS 700,00 de tributos, e lhe está sendo cobrado pela SEPLAN, através da CDU, o valor de R$ 3 mil de taxa de publicidade por ter colocado um banner na porta de seu empreendimento.

OBRA DA PRAÇA DO BESSA PARALIZADA

Por falar em Luciano Cartaxo, como todas as obras da nossa Prefeitura  a obra da Praça Coronel Bem Hur, defronte ao Supermercado Super Box Brasil se encontra inteiramente parada, sem nenhum operário,  em que pese à placa anunciar 180 dias para sua conclusão. O mesmo acontece também com o Conventinho no Varadouro, dentre outras obras. Espero que não ocorra com essas pequenas intervenções, o que aconteceu com a obra da Beira-Rio que levou cinco anos para sua conclusão e foi até apelidada pela população  de Viaduto Matusalém. 

CONCERTO DA BANDA SINFÔNICA JOSÉ SIQUEIRA

O maestro Sandoval Moreno, convida o público em geral para um concerto da Banda Sinfônica José Siqueira a se realizar no dia 30 de abril do corrente, às 19 horas, na Sala de Concertos Radegundis Feitosa (UFPB).O concerto sob a regência do maestro Emanoel Barros, tendo como solistas Jadson Oliveira, Gilbdert Moreira e Sabiano Araújo, será alusivo ao ‘Dia do Choro’. Realmente imperdível. Entrada gratuita. 

PINÇADOS NAS REDES SOCIAIS:

 

VALEU CARLUXO! – SEVERINO OLIVEIRA

 

Durante os governos “comunistas” de FHC, Lula e Dilma os militares foram tratados com respeito e fidalguia. Nunca se ouviu falar de críticas ou estocadas aos milicos. Agora, sob a batuta de um ex-capitão, que sempre incluía os militares na sua plataforma de governo, os homens da caserna estão sendo esculachados diariamente.O doidão da Virgínia já xingou, desqualificou e desempregou tantos soldados de alta patente que a credibilidade dos defensores da pátria está tão baixa quanto de um guarda noturno .Um general da ativa é obrigado a ler uma nota exaltando as qualidades patrióticas de seu detrator.Ah! E o Carluxo? Meu Pitt Bull, minha boneca mimada, minha bicha malvada…Bate no Mourão como se bate em mala velha para retirar o mofo. E Mourão covarde, golpista e dissimulado, bajulador de riquinhos faz aquele tipo “nem te ligo”. Valeu, Carluxo. Mostra que este governo não existe, que vocês não respeitam nada e nem ninguėm, que o que interessa é papis mamando e afundando esta zorra de país.Lembranças ao primo. Torço pelo casal.

 


O PASSAPORTE DO BISPO EDIR MACEDO – LEILA ARAUJO

Não existe nada mais ridículo do que adorador de político:- Quer dizer que o Bolsonaro concedeu passaporte diplomático para o “Bispo” Edir Macedo e a mulher?- Concedeu nada! Isso é fake news da extrema imprensa e da globolixo! Ele só renovou o passaporte que o cara já tinha.- SÓ renovou!? Ah, bom…- Pois é, temos que ficar atentos e ler as entrelinhas… Vi que agora você entendeu – Mas eu estava sendo irô… Deixa pra lá.[Update para acrescentar outra: “Não foi o Bolsonaro, foi o Ministro”.

 

Esta coluna é publicada no http:www.blogdopedromarinho.com e em mais três portais

 

 

Justiça desbloqueia precatório do PSS.   

 

 

O presidente Airton Procópio informa que o advogado Breno de Paula lhe comunicou hoje, que estará seguindo nesta madrugada para Brasília para se inteirar do andamento do precatório relativo ao processo do PSS. Ali nesta manhã de terça-feira na Justiça Federal terá audiência com o  magistrado Eduardo S. da Rocha Penteado da 14ª Vara Federal, para assim  se certificar se os alvarás para a rede bancária estão sendo confeccionados conforme determinação desse mesmo magistrado há alguns dias no processo.

 

Ali também o advogado Breno de Paula vai contatar o responsável pelo cartório da 14ª Vara e verificar no próprio processo se tudo se encontra na mais perfeita ordem para finalmente ocorra o pgamento do precatório em questão que irá beneficiar  254 sindicalizados que foram escritos para receberem no corrente exercício. Já que os demais 391 substituídos irão receber apenas no exercício de 2020.

 

Como se sabe, com relação à parte de responsabilidade do advogado Breno de Paula, tudo foi devidamente cumprido e agora resta apenas ultimar a burocracia com o envio dos alvarás para o Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal.

 

Airton espera que ao retornar de   Brasília no meio da semana, Breno de Paula traga boas noticias que serão imediatamente repassadas aos sindicalizados.

 

O citado processo foi totalmente saneado com todas as pendências resolvidas, determinando o magistrado, a habilitação de alguns herdeiros e de também de pessoas que adquiriram a cessão de direito de alguns sindicalizados.

 

Airton tem consciência que a sua ida até a 14ª Vara, junto com   da Dra Franciane do escritório do advogado Breno de Paula e os contatos mantidos ali foram determinantes para apressar o desbloqueio, nem como as diligencias empreendidas junto com Breno de Paula junto a Vara Federal em Porto Velho.

 

Imagina Airton, que como estamos na Semana Santa é bem possível que o desbloqueio só ocorra na semana que vem, com a comunicação a rede bancária, mais precisamente o Banco do Brasil e Caixa Econômica, mas tanto ele Airton quanto o advogado Breno de Pula irão acompanhar a tramitação até que se efetivem os pagamentos dos citados precatórios, informando tudo aos sindicalizados.    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.