Pedro Marinho – O dia em que um seqüestrador telefonou para o secretário da Casa Civil do Governo de Rondônia

No ano de 1996 dois indivíduos ousados assaltaram um posto bancário que funcionava exatamente no prédio do Fórum Criminal de Porto Velho, cujo órgão era sempre muito movimentado, inclusive freqüentado por policiais que faziam escolta de presos.

Naquela ocasião dois policiais que estavam participando de uma audiência saíram em perseguição dos mesmos e dado voz prisão dois aos ladrões quando eles tentavam fugiam numa moto, tendo o individuo que viajava como carona atirado e  no revide dos policiais sido morto, enquanto o condutor da moto, no nervosismo perdido do controle e caído e ao se levantar, corrido e invadido o escritório do advogado Miguel Roumiê, que funcionava ali nas  proximidades do fórum.


O famoso advogado rondoniense foi tomado como refém, ficando o mesmo sob a mira do revólver do assaltante por quase 20 horas, com a imprensa e curiosos cercando o imóvel onde se desenrolava o drama.

O saudoso delegado Cézzar Pizzano assumiu as negociações e para manter contato com o sequestrador  e como quase ninguém possuía telefone celular naquela época, ele pediu o celular do secretário da Casa Civil que passava por ali. O telefone ficou sendo utilizado  durante horas Pizzano usando o telefone do secretário e o seqüestrador o telefone celular do sequestrado Miguel Romier. Já à noite tudo foi resolvido, ficando acertado que o individuo que mantinha o advogado nessa difícil situação, a receberia um automóvel e poderia  deixar o local, libertando o refém mais adiante, sendo o delegado Pizzano sido  informado que o aparelho teria que ser devolvido ao usuário, no caso o secretário da Casa Civil.

Depois de sair do local com o refém dirigindo o seu próprio automóvel, o ladrão percebeu que estava sendo seguido pela polícia (policiia enviados pelo delegado Pizzano – enquanto trafegava pela BR-364, nas proximidades do Cemetron, o mesmo bastante assustado, ligou do celular do refém para o delegado:

“Alô, doutor Pizzano….o senhor não está cumprindo o que prometeu. A polícia está atrás de mim, preciso de tempo necessário para fugir conforme combinado’.

Sem entender absolutamente nada da conversa, o secretário da Casa Civil bastante assustado pediu detalhes, ao que o ladrão bem zangado respondeu: ‘Porra, doutor, aqui é o seqüestrador”

Após essa informação, o secretário mandou um assessor levar rapidamente o celular de volta ao delegado Pizzano. Naquele momento, o Dr. Miguel Roumiê ja havia sido libertado e o sequestrador fugido no meio do sapezal. Meses depois esse perigoso delinqüente foi morto, ao tentar realizar um assalto em Manaus/AM.

Com relação ao telefone utilizado nas negociações com o marginal, depois do susto que passou o secretário Chefe da Casa Civil sequer o quis de volta.