Dois dos nossos precatórios são enviados aos bancos

Informa o presidente Airton Procópio, que na data de ontem, dia 2,  conforme já era esperado o dois processos dos nossos interesses foram finalmente foram  liberado pela Justiça Federal, mediante alvarás para o Banco do Brasil e também Caixa Econômica Federal, pois no caso de precatório a Justiça Federai, sempre divide entre os dois bancos oficiais, independente que a pessoa tenha ali conta ou não.

No processo que tem como advogado Marcelo Galvão e que trata de juros de moras do processo da isonomia, como já foi informado na última postagem feita no site, surgiu um questionamento por parte da Procuradoria da Fazenda, em relação aos valores cobrados de juros, tendo o juiz substituto, aceitado o recurso intempestivo que ficou para ser decidido pelo juiz titular no seu retorno ou pelo próprio TSJ, conforme o próprio advogado Marcelo Galvão que explicou que mesmo o precatório sendo enviado para o banco, poderia ficar bloqueado em razão da citada demanda.

Ontem, porém, tal precatório foi enviado para os bancos citados e aparentemente sem nenhum bloqueio, o que só saberemos ao certo, quando um dos beneficiários tiver acesso a tais recursos hoje ou amanhã

Quanto ao processo relativo ao PSS daqueles 250 sindicalizados e que tem como advogado Breno de Paula, que estão inscrito para receber agora em 2019, tendo 177 ficaram de fora, para receberem somente em 2020, também seguiu para os bancos citados, não havendo porém nada que impeça o seu imediato recebimento, podendo portanto os sindicalizados procurarem os bancos informados e localizarem seus recursos oriundos dos citados precatórios

Por fim informa Airton, que o restante a receber do processo do imposto de renda, que tem como magistrada,  Anne de Souza Monteiro, da 1ª Vara da Justiça Federal em Rondônia e como advogado Breno de Paula, ocorreu um impasse em razão do recebimento em duplicidade de dois colegas, o que acarretou uma Assembleia no Sindicato, para decidir sobre o  reembolso de tais valores  por todos o os beneficiários do citado processo, o que foi autorizado, se esperando agora que finalmente tudo chegue a bom termo e que todos recebam o que de direito.

O presidente Airton faz questão de enfatizar, que infelizmente as tramitações dos processos são sempre muita lentas e cheia de recursos protelatórios, piorando ainda mais, quando os processos são contra o governo, pois os prazos são contados em dobro, sem falar que quando envolve dinheiro, os magistrados então são super cautelosos na liberação. O fato, segundo Airton, é que não tem faltado determinação a ele e muito menos aos advogados Breno de Paula e Marcelo Galvão, que por razões obvias, em tese, são sempre os maiores  interessados na solução final dos processos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.