A explosao de um quartel em Cacoal

WhatsApp
Facebook
Twitter

Explosão do Quartel da Policia Militar em Cacoal-Rondônia – 03 de fevereiro de 1982.

Encontrava-me de férias em Fortaleza, quando recebi uma ligação telefônica do Secretário de Segurança Pública do Estado de Rondônia, Doutor Hélio Máximo Pereira, convocando a minha presença urgente em Porto Velho. De imediato, apesar de ser noite, me dirigi ao Aeroporto em Fortaleza onde peguei o avião com destino a Porto Velho, onde no dia seguinte me apresentei ao Senhor Secretário, o qual mediante Portaria determinou o meu deslocamento via aérea para cidade de Cacoal, com a finalidade de realizar Exame Técnico Pericial nos escombros do Quartel da Polícia Militar, decorrentes de explosão ocorrida no dia 03 de fevereiro de 1982, as 05h45 da manhã, onde foram vítimas fatais dez militares, e um civil, entre os militares, o próprio comandante Ten. Rui.

Antes de proceder ao levantamento técnico pericial ”in loco”, compareci ao Quartel da Policia Militar de Pimenta Bueno, município vizinho a Cacoal, onde colhi informações sobre o Ten. Rui, cujos colegas o conheciam e me informaram que o mesmo tinha uma namorada naquele município e que no dia do ocorrido (explosão), ele teria voltado antes do dia amanhecer para Cacoal.

Após as informações, logo que retornei a Cacoal me fixei no local e ao observar fotos de um laudo anterior referente a explosão, pude constatar que o “epicentro” da explosão se deu no interior de um xadrez que se achava desativado, contíguo ao Gabinete do Comandante Ten. Rui, onde se achavam armazenados 75 quilos de dinamite gelatinosa juntamente com os estopins, do total que fora usado em pedreiras quando da pavimentação de ruas da cidade de Cacoal e que por segurança, somente o Ten. Rui conduzia a chave do cadeado de fechamento da Grade de Ferro (portão) única entrada do xadrez.

Apesar do laudo anterior não constar a foto da grade de ferro (portão), populares me conduziram a uma distância de mais de 30 metros, onde se achava o citado portão de forma côncava, com o ferrolho e cadeado desativados.

Procurando estabelecer a causa mais precisa com relação a explosão, mantivemos contato com a Dupon do Brasil, fabricante do explosivo em São Paulo, que nos informou o seguinte: a dinamite gelatinosa contém em sua composição nitroglicerina, por isso ela não podia ser armazenada ao tempo superior a 6 meses e teria ficar em paióis completamente ventilados, e já contava com 1 ano e quatro meses, e que a nitroglicerina é um líquido extremamente reativo que explode com aquecimento ou uma pancada.

Levando-se em consideração as recomendações da Dupon do Brasil:

1) Tempo de armazenamento do explosivo que não podia ser superior a seis meses;
2) O clima da região, quente e úmido;
3) Não se descartou uma combustão espontânea;
4) Não se descartou a presença do Ten. Rui no centro da explosão, pois, das vítimas fatais e mutiladas, constatadas no local da explosão do corpo dele só fora encontrado um dos pés ainda com a botina de número 44, reconhecido pelos colegas militares de Pimenta Bueno;
5) A forma como foi encontrado o portão do xadrez, com o ferrolho e cadeado desativados, assim como o horário da explosão, admitiu-se que o Ten. Rui ao adentrar no xadrez, tenha acionado o interruptor interno da luz, ou tenha topado em alguma das caixas que acondicionavam os explosivos.

Bacharel Francisco Ribeiro Lima
Delegado/Policia/Perito Criminal
Ex-Territorio Federal de Rondônia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens
Sem título
Assim nasceu a nossa associação da Polícia Civil do Território Federal de Rondônia