O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete – Pedro Marinho.

WhatsApp
Facebook
Twitter
Quando do assassinato do nosso colega Delegado Mauro dos Santos no interior do Estado de Rondônia eu me encontrava mais uma vez como Diretor do Departamento de Polícia Metropolitana e por falta e respondendo como titular do 1°Distrito Policial em Porto Velho e ao adentrar na citada unidade, dois policiais, cujo nomes vou preservar, adentraram no meu gabinete para informar que o perigoso latrocida Paulo Levanski, passara à noite inteira fazendo bagunça e comemorando a morte do delegado e mesmo chamado a atenção pelo policiais plantonistas, ignorou e fez barulho durante a noite inteira.
Percebendo que os dois os policiais esperavam de mim, alguma ação contra o bagunceiro preso, nem pensei duas vezes e disse que trouxessem tal figura a minha presença, pois iria lhe dar uma descompostura grande.
Momentos depois eis que os dois policiais adentraram no meu pequeno gabinete com o referido preso, quando então me postei de pé e passei a criticar a sua conduta e o desrespeito ao falecido colega, quando surpreendente o preso deu um passo para trás, para tirar dos pés as sandálias japonesas e desferiu um murro contra o meu rosto, quando instintivamente desviei a cabeça, sentindo que o murro passou com muita força perto da minha orelha esquerda, quando então lhe desferi um chute na altura do estomago, que o jogou no chão de encontro a parede de madeira que dividia duas salas, causando grande estrondo ouvido por todos na delegacia.
Ao vê-lo no chão, percebendo que os dois policiais tinham fugido da sala, passei a esmurrar e chutar o preso, evitando assim que ele tentasse novo ataque, quando então adentrou rapidamente na sala o policial Raimundo Nonato Ribeiro, mais conhecido por ‘Mão Grande’ que com seu avantajado físico e com a força que tinha, contando com a minha ajuda dominou e algemou o preso, jovem e com um bom tipo físico.
Superado o susto e o mal estar, não havia ambiente para a permanência do preso Paulo nas dependências do 1° DP, quando então depois de contatar o saudoso colega Henry Anthony e explicar o ocorrido, consegui transferir Paulo para o 4° Distrito, sem proceder o flagrante de agressão, pois diante de sua vasta ficha criminal, achei que seria pura perda de tempo.
O interessante dessa história é que fiquei revoltado contra os dois policiais e mandei chama-los ao gabinete para as devidas explicações, quando candidamente um deles informou que eles tinham corrido para buscarem socorro com os policiais plantonistas, o que virou zombaria entre todos, pois era o caso de polícia, pedindo socorro a polícia. Tal episódio ficou mal para eles, muito mal.

Respostas de 3

  1. Dr.marinho eu me lembro quem levava os presos pra serem ouvidos no interior era os Policias da Polinter. lembra eu mesmo era de costume leva os 02 presos que mataram o JESUINO nos anos de 1982 na época da politica em CACOAL. VIANA, VALDEMAR. segundo o viana falava que o Valdemar não tinha nada ver com a morte FUGIU sem saber de nada. obs. foram pego na época na operação caça PISTOLEIRO comandada pelo Dr João Lucena, coronel Bismarck.

  2. Dr.Marinho eu lembro na quela época dos anos 81.82. eu lembro Dr. Lamarque, marcos santiago,marcos, porto,joão lucena, Luciano agra,walderedo paiva. quando o camarada recebia uma intimação comparecer na delegacia era marcada 08:00 o cara chagava as 05:00 da manhã já vinha pensando que iria falar. si não a peia. OBS. outros dias eu vou lembra de algo mais.

  3. Ainda não sabia desse acontecido no entanto acho que os policiais presente neste caso agiram com covardia pois além de levar esse elemento até a presença do delegado Ainda deixaram o elemento agir colocando em risco a pessoa da autoridade policial prá mim total despreparo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens
Sem título
Assim nasceu a nossa associação da Polícia Civil do Território Federal de Rondônia