Bendini ao jornal Nacional: Petrobras não entrará em marcha à ré

WhatsApp
Facebook
Twitter

 
O novo presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, disse, nesta terça (10), em entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo, que a Petrobras “não vai parar, nem entrará em marcha à ré”, mesmo diante das investigações que envolvem às suspeitas de corrupção na estatal; ele defendeu que os acionistas e investidores “continuem a acreditam na companhia”; “A gente passa por um momento de dificuldades, mas passado a limpo estas denúncias, eu não tenho dúvidas de que a companhia estará olhando para o futuro, dada a sua capacidade de geração de valores para os acionistas e para a população brasileira”, afirmou; leia entrevista na íntegra
247 – O novo presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, disse, nesta terça-feira (10), em entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo, que a Petrobras “não vai parar, nem entrará em marcha à ré”, mesmo diante das investigações que envolvem às suspeitas de corrupção na estatal. Ele defendeu que os acionistas e investidores “continuem a acreditam na companhia”. “A gente passa por um momento de dificuldades, mas passado a limpo estas denúncias, eu não tenho dúvidas de que a companhia estará olhando para o futuro, dada a sua capacidade de geração de valores para os acionistas e para a população brasileira”, afirmou.

Bendine disse que enxerga nas investigações a possibilidade de aprimorar o modelo de governança da Petrobras, “para evitar erros no futuro”. “O modelo de decisões será revisto e dará um processo mais ágil para a empresa e com muito mais segurança”, ressaltou. Ele afirmou que o Conselho da Petrobras lhe deu “total liberdade e autonomia” na gestão da companhia. Bendini também frisou que se sente “tranquilo” para desenvolver seu trabalho e rechaçou a ideia de ingerência por parte do governo federal. “No Banco do Brasil tive total liberdade para trabalhar”, afirmou.

O presidente da Petrobras afirmou que o endividamento da estatal “não é tão grande quanto parece”. “O mais importante na companhia, neste momento, é justamente a sua gestão de caixa e a sua gestão financeira”. Ele frisou que “a Petrobras nunca vai se sujeitar à volatilidade do mercado externo”.

Enquanto isso, na Petrobras, o comitê criado para acompanhar as apurações internas sobre corrupção listou 2 mil funcionários da companhia que devem ser alvo dos investigadores contratados pela empresa, ao longo deste ano. Desses, 150 tiveram apuração considerada prioridade e já estão sendo avaliados. O grupo menor é composto de pessoas que prestam ou prestaram informações à PwC, auditoria da Petrobras, nos últimos anos, para elaboração dos balanços trimestrais da companhia.

Todos os 2 mil funcionários serão alvo de verificação por parte dos escritórios TRW, brasileiro, e Gibson Dunn & Crutcher, americano, contratados pela Petrobras para tentar entender a extensão do esquema de corrupção revelado na Operação Lava Jato. Eles foram identificados por terem atuado na assinatura de contratos com as 23 empreiteiras apontadas pela Operação Lava Jato como participantes do esquema. Tais funcionários terão e-mails e ligações telefônicas rastreados. Seus objetos de trabalho serão alvo de vistorias. O comitê é composto pela ex-presidente do STF, Ellen Gracie, o consultor de governança Andreas Pohlmann e pelo diretor de Governança da Petrobras, João Elek.

Abaixo a entrevista na íntegra:

Jornal Nacional – O senhor acaba de assumir uma das maiores empresas do mundo, com sérios problemas econômicos, como perda de valor de mercado, endividamento elevado, falta de recursos para investir nos projetos já aprovados e segundo analistas com um grau elevado de ingerência do governo. Como pretende enfrentar essas questões e resolver esses problemas?

Aldemir Bendine – Por etapas. Primeiro, o mais importante na companhia, neste momento, é justamente a sua gestão de caixa e a sua gestão financeira. O endividamento não é tão elevado quanto se parece, dada a capacidade de geração de resultados da Petrobras.

Jornal Nacional – A Petrobras é uma empresa de capital aberto, com milhares de acionistas, mas com controle do governo. Analistas do mercado diziam que uma administração mais independente do governo seria o mais recomendável, para que a Petrobras pudesse ter melhores resultados. Sua indicação sugere o movimento oposto. O senhor acertou previamente com a presidente Dilma que a Petrobras deve ter liberdade para tomar suas decisões?

Aldemir Bendine – O Conselho de Administração me fazer o convite me deu total autonomia e liberdade na gestão da companhia. Em relação à questão do preço, eu acho que isso é uma coisa muito bem definida – a definição de preço. A Petrobras nunca vai se sujeitar à volatilidade do mercado internacional, seja pra cima ou seja para baixo. O que a Petrobras faz no momento da sua definição de preço é uma visão, um cenário de longo prazo.

Jornal Nacional: O histórico mostra que o preço da gasolina foi usado para ajudar a política anti-inflacionária. O senhor tem conhecimento disso, né? O senhor acha que hoje a Petrobras teria mais liberdade para praticar os seus preços?

Aldemir Bendine: Não tenho dúvida nenhuma disso.

Jornal Nacional – Como o senhor vai resolver o problema do custo da corrupção no balanço da empresa? Vai reavaliar contrato por contrato para lançar o valor real dos ativos?

Aldemir Bendine – Nós estamos aí reavaliando uma série de ativos e as metodologias empregadas. A gente há de separar e a gente precisa deixar isso muito bem claro, que este balanço vai refletir a situação atual da empresa em 2014. Ela pode estar sendo influenciada, sim, por conta da corrupção, mas também por outras variáveis como preço de commodities, enfim, uma série de variáveis que estarão apontando também o real valor destes ativos.

Jornal Nacional: Por causa da corrupção a imagem da Petrobras está muito comprometida, vista hoje com uma empresa que se rendeu à corrupção. Como o senhor pretende reverter essa situação?

Aldemir Bendine: O quadro técnico da empresa é o melhor quadro técnico do mundo neste setor. São pessoas extremamente engajadas que eu não tenho dúvida que darão uma resposta à altura. A Petrobras não vai parar. Ela não vai entrar em marcha a ré. Ela vai continuar trabalhando efetivamente. Estamos aguardando e colaborando com as investigações necessárias e isso vai nos ajudar muito em algo que eu também tenho muita experiência que é aprimorar o modelo de governança aqui da companhia para se evitar erros no futuro, como esses que aconteceram.

Jornal Nacional: Eu queria voltar um pouco na questão da produção do balanço. Como o senhor pretende chegar a este número? Se falou neste número de R$ 88 bilhões, mas que envolvia superavaliação de ativos, mas também a corrupção. Esse número para o senhor significa alguma coisa? Como o senhor pretende chegar a um número?

Aldemir Bendine: Não. Esse número não é um indicativo. Isso é um trabalho sendo feito com empresas que estão fazendo avaliações desses ativos. Isso vai ter que ser certificado depois inclusive pela auditoria externa. O que nós estamos discutindo neste momento são as métricas, são a forma a ser utilizada na apuração disso. Com certeza nós teremos uma baixa de ativos até porque nós também estamos fazendo uma correção do passado. Então nós queremos em 2014 um valor justo e que mostre com muita clareza e transparência qual é o número da companhia no momento.

Jornal Nacional: O senhor acha que com isso não vai ter problema com auditoria. Auditores assinarão este balanço da companhia?

Aldemir Bendine: Eu não tenho dúvida que a gente garantindo a credibilidade das informações prestadas, a auditoria já se manifestou inclusive vai estar nos acompanhando no dia a dia para certificar essa metodologia a ser utilizada.

Jornal Nacional: O mercado não recebeu bem a sua nomeação, porque o senhor fez carreira num banco público e não teria sido testado num ambiente de concorrência. O que o senhor tem a dizer sobre essa percepção?

Aldemir Bendine: Primeiro que o Banco do Brasil, ele é um banco sociedade de economia mista. Então ele efetivamente trabalha muito pesadamente na concorrência e nesses seis anos nós tivemos a oportunidade de fazer uma gestão que triplicou os ativos do banco e dobrou o seu resultado. Então eu acho que eu sou muito testado em relação a mercado.

Jornal Nacional: Logo após sua nomeação, o TCU e a Polícia Federal decidiram investigar empréstimo concedido pelo Banco do Brasil, sob seu comando, à empresa Torke Empreendimentos e Participações. Essa empresa, ligada a uma amiga sua, teria sido favorecida com a dispensa de formalidades exigidas pelo banco. Como o Sr. responde a isso?

Aldemir Bendine: Primeiro que são denúncias antigas e denúncias vazias, o que é muito comum quando você está à frente de um cargo público. Todas as informações foram prestadas e quem conhece minimamente o processo de decisão do BB sabe que seria impossível um tipo de concessão que não tivesse dentro da norma. O banco já prestou os devidos esclarecimentos, inclusive isso já foi avaliado por mais de 10 órgãos reguladores e fiscalizadores. E com tranquilidade acho que o banco tá lá à vontade e à disposição para prestar mais esclarecimentos, se eles forem perguntados.

Jornal Nacional: O que o senhor diria aos pequenos acionistas?

Aldemir Bendine – Que continuem a acreditar na companhia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens