Bicudo e Reale vão refazer pedido de impeachment contra Dilma Rousseff

WhatsApp
Facebook
Twitter



Josias de Souza
Pedro Ladeira/AFP

Os juristas Hélio Bicudo e Miguel Reale Júnior decidiram refazer o pedido de abertura de processo de impeachment contra Dilma Rousseff. A nova petição incluirá a denúncia do Ministério Público de Contas de que o governo Dilma repetiu em 2015 a prática das “pedaladas fiscais”. Usou bancos públicos para pagar despesas que seriam do Tesouro Nacional. Lançou mão de R$ 40,2 bilhões do BNDES, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e FGTS como se dispusesse de um cheque especial.

Inicialmente, a oposição pretendia fazer o acréscimo por meio de um aditamento subscrito pelos líderes dos partidos que se opõem ao governo. Mas preferiu refazer o pedido para evitar questionamentos judiciais. Consultados, Bicudo e Reale concordaram. Tenta-se evitar novos contratempos depois que liminares concedidas por ministros do STF suspenderam os efeitos do rito de tramitação do impeachment que havia sido fixado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha.

Líder do PSDB, o deputado Carlos Sampaio levará de Brasília para São Paulo os dados que servirão de matéria-prima para a reelaboração do pedido de Bicudo e Reale. Deseja-se entregar a nova petição a Eduardo Cunha até sexta-feira.

A manobra batizada de “pedalada fiscal‘‘ foi um dos motivos que levaram o TCU a reprovar na semana passada as contas do governo Dilma relativas a 2014. Em nova representação dirigida ao tribunal de contas, o procurador de Contas Júlio Marcelo de Oliveira anotou: “Verifica-se, pois, que, encerrado o primeiro semestre do presente exercício financeiro, a União continuou a realizar os mesmos atos que foram considerados ilegais pelo TCU.”

Eduardo Cunha vinha sinalizando a intenção de indeferir o pedido feito pelos juristas Bicudo e Reale. Seu principal argumento é o de que Dilma não pode ser julgada por atos praticados no mandato anteriror. Ao refazer o pedido, incluindo nele as “pedaladas‘‘ de 2015, a oposição tenta convencer Cunha a rever o seu ponto de vista, deferindo o pedido.

Para os antagonistas de Dilma, convencer Cunha tornou-se vital depois que os ministros Teori Zavascki e Rosa Weber, do STF, suspenderam os efeitos do rito de tramitação do impeachment. Esse rito continha uma regra segundo a qual a oposição poderia recorrer ao plenário da Câmara caso Cunha indeferisse o pedido de abertura de processo contra Dilma. Sem a possibilidade do recurso, a oposição fica nas mãos de Cunha.

Antes, Cunha já havia informado aos líderes oposicionistas que indeferiria a petição de Bicudo e Reale. Estava combinado que a oposição recorreria ao plenário que, por maioria simples de votos (metade mais um dos deputados presentes), aprovaria a abertura do processo. As liminares do Supremo melaram esse acordo. Agora, se quiser alvejar Dilma, Cunha terá de levar o rosto à vitrine.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens