Deputado questiona: ‘Quem são os ratos da política‘

WhatsApp
Facebook
Twitter

“Quem são, afinal, os ratos da política brasileira? Os que garantem níveis de emprego nunca antes alcançados, ou os que aprovam um projeto como o da terceirização que rói conquistas que estão sendo consolidadas há 70 anos?”, questiona, em artigo, o deputado Elvino Bohn Gass (PT/RS); “Não, senhores oposicionistas, os ratos da política não somos nós, são vocês! Vocês que impedem a reforma política porque sempre foram sustentados pelo poder econômico. Vocês que entregaram o patrimônio público a preço de banana para os seus amigos ricaços”; servidor público que ontem soltou ratos na sessão da CPI da Petrobras que interrogava João Vaccari Neto, tesoureiro do PT, é ligado ao deputado Paulinho da Força (SD/SP)

247 – Quem são, afinal, os ratos da política brasileira? A questão foi colocada, em artigo, pelo deputado Elvino Bohn Gass (PT-RS), depois que um servidor da Câmara dos Deputados, ligado ao deputado Paulinho da Força (SD/SP) (saiba mais aqui), soltou ratos numa sessão da CPI da Petrobras. Leia abaixo:

Ratos

Elvino Bohn Gass(*)

Antes de Lula e Dilma, o Brasil era um país que não investia em infraestrutura. Deu no que deu: enormes complexos metropolitanos onde se amontoavam pessoas desempregadas, vivendo em casebres insalubres e submetidas ao fétido odor dos esgotos a céu aberto. A responsabilidade por isso é da política. Melhor dizendo, da ausência histórica de políticas que só passaram a enfrentar, de fato, esses males há uns poucos anos.

E não adianta espernear porque os números provam e o mundo já reconheceu: foi só depois de Lula e de Dilma que as populações periféricas passaram a ser alvo de políticas públicas de recuperação da dignidade desses milhões de excluídos. Antes, esses homens e essas mulheres não só conviviam com os ratos, como do ponto de vista governamental, eram tratados como tal.

Ratos… Esta semana, alguns oposicionistas aos governos do PT soltaram alguns deles antes do depoimento de um membro da direção petista na Câmara dos Deputados. Foi uma tentativa torpe e extremamente agressiva de associar a imagem suja dos bichinhos aos membros do partido.

Então, mais do que repudiar a exposição dos animais ao risco de serem pisoteados (como foram), valho-me da mal sucedida analogia oposicionista para perguntar: quem são, afinal, os ratos da política brasileira? Os que garantem níveis de emprego nunca antes alcançados, ou os que aprovam um projeto como o da terceirização que rói conquistas que estão sendo consolidadas há 70 anos? Os que garantem casa própria para milhões de brasileiros que nunca a tiveram, ou os que quando governaram roeram o Banco Nacional de Habitação jogando-o em transações escabrosas e não construíram uma moradia sequer?

Os que permitiram que o filho da faxineira chegasse à universidade, ou os que carcomeram o futuro dos jovens proibindo a abertura de novos cursos técnicos? Os que retiraram 30 milhões de pessoas da miséria, ou os que devoraram as nossas reservas quebrando o país três vezes?

Não, senhores oposicionistas, os ratos da política não somos nós, são vocês! Vocês que impedem a reforma política porque sempre foram sustentados pelo poder econômico. Vocês que entregaram o patrimônio público a preço de banana para os seus amigos ricaços. Os roedores históricos do dinheiro e dos valores desse país são vocês, que sustentaram a ditadura, que torturaram e mataram pessoas, que trocaram de partidos mil vezes, que impediram que a corrupção fosse investigada, que mantiveram preconceitos raciais, de classe e de gênero.

Vocês, que devastaram as nossas riquezas naturais, que poluíram as nossas águas e que aniquilaram nossas populações indígenas e quilombolas. Vocês, que sempre andaram por túneis subterrâneos da política, que se comportaram furtivamente como se não fossem responsáveis pela gigantesca diferença social deste país. Vocês, que politicamente, sempre agiram como ratos.

É por isso que quando nos deparamos com cenas como a dos ratos soltos na Câmara, ou quando assistimos os senhores marchando sem constrangimento ao lado de quem pede a volta dos coturnos covardes, nós não nos surpreendemos. Porque sabemos com quem estamos lidando. Estamos lidando é com as suas longas caudas, Longas como a dos ratos. E o pavor, a gente também sabe, é porque Dilma armou a ratoeira.

(*) Deputado Federal (PT-RS) e Secretário Nacional Agrário do PT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240724_173111_WhatsApp
Quatro anos do falecimento do colega Lourival Brito de Souza.
Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens