FHC insinua na TV que Dilma deveria renunciar – Veja vídeo do partido

WhatsApp
Facebook
Twitter

FHC insinua na TV que Dilma deveria renunciar – Veja vídeo do partido


Zanone Frassat
Zanone Frassat
Josias de Souza

O PSDB leva ao ar na noite desta segunda-feira, em rede nacional de rádio e tevê, sua propaganda partidária semestral. Nela, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso põe em dúvida a capacidade de Dilma Rousseff de debelar a crise. E insinua que ela deveria renunciar.

“A economia vai muito mal”, diz FHC no comercial tucano. “E a presidente é refém de uma base de sustentação no Congresso, que a cada dia é mais do tipo toma-lá-dá-cá. Ela, na verdade, está pagando pela herança maldita que o Lula deixou.”

FHC empilha interrogações: “A presidente pode até tentar sair dessa crise, mas como? Com o PT? E o PT tem condições de sustentar alguém? Um partido que propôs o céu ao povo e não teve competência para gerir a economia, e hoje oferece o inferno da crise e do desemprego.”

Na sequência, FHC sustenta que a presidente já não tem como se desvencilhar do petismo: “Por outro lado, e se ela abandona o PT? Aí o risco de cair aumenta ainda mais.” Sem dizer a palavra renúncia, o morubixaba do tucanato dá a entender que não resta outro caminho a Dilma: “Está na hora de a presidente ter grandeza pensar no que é melhor para o Brasil e não para o PT.”

Não é a primeira vez que FHC sugere a renúncia de Dilma. em 17 de agosto, numa nota divulgada no Facebook, ele já escrevera: “A esta altura, os conchavos de cúpula só aumentam a reação popular negativa e não devolvem legitimidade ao governo, isto é, a aceitação de seu direito de mandar, de conduzir. […] Se a própria presidente não for capaz do gesto de grandeza (renúncia ou a voz franca de que errou, e sabe apontar os caminhos da recuperação nacional), assistiremos à desarticulação crescente do governo e do Congresso, a golpes de Lava Jato.‘‘

A Globo News divulgou na noite deste domingo (27) trechos da propaganda do PSDB. Com maior ou menor grau de sutileza, a ideia de que o mandato de Dilma pode ser encurtado frequenta os depoimentos de outros líderes da legenda.

Aécio Neves, por exemplo, não chega a pronunciar o vocábulo impeachment. Mas sugere que a hipótese frequenta os planos do tucanato: “É dentro das regras democráticas que nós queremos e vamos lutar”, diz o ex-adversário de Dilma na disputa presidencial do ano passado.

O senador José Serra, derrotado por Lula na sucessão presidencial de 2002 e por Dilma na de 2010, é um pouco mais explícito. Acha que a presidente flerta com o afogamento. Afirma que “o governo Dilma está com a água na altura do nariz. Aumenta tarifa de impostos, leva o juro até as nuvens”

No dizer de Serra, “os brasileiros não podem mais pagar a conta dessa incompetência do PT.” Interlocutor cada vez mais frequente do vice-presidente Michel Temer, substituto constitucional de Dilma, Serra arremata: “Sabe de uma coisa, eu acho que está na hora de o PT pagar pelos seus próprios erros.”

O governador paulista Geraldo Alckmin, que se julga o primeio na fila de alternativas presidenciais do PSDB, também criticou Dilma. Mas ele soou na propaganda partidária mais como um médico prescrevendo medicamentos do que como coveiro: “O receio Brasil não pode ficar parado por mais três anos. Só vamos sair dessa crise com mais investimento, crescimento e geração de emprego.” Em privado, Alckmin deixa claro que uma Dilma fraca até 2018 lhe interessa mais do que um governo tampão de Michel Temer.

Presidente nacional do PSDB, Aécio Neves usou sua participação da propaganda para tentar qualificar a oposição exercida pelo PSDB. Fez isso para rebater a pregação de Dilma segundo a qual a oposição rendeu-se à política “do quanto pior, melhor”.

“Nós somos oposição sim, mas somos oposição a esse governo. Nós não somos nem jamais seremos oposição ao Brasil”, disse Aécio. “Aquilo que entendermos ser necessário para melhorar a vida das pessoas, para melhorar a sua vida, nós faremos. Por exemplo: se o governo quiser trazer de volta o imposto do cheque, nós seremos contra. Ninguém aguenta mais impostos. Mas se esse mesmo governo reduzir os impostos sobre a folha de pagamento para que as empresas parem de demitir, nós sermos a favor.”

Aécio acrescenta na propaganda: “Se o governo, por exemplo, quiser tirar mais drieitos que você conquistou, nós seremos contra. Mas se esse mesmo governo quiser se esforçar para baixar a taxa de juros e fazer a economia voltar a crescer, trazendo de volta os empregos, pode contar conosco.”

– Atualização feita às 18h43 desta segunda-feira (28): vai abaixo vídeo com a íntegra da propaganda do PSDB:

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens