Moro defende ampla publicidade de prisões

WhatsApp
Facebook
Twitter



Durante congresso de Jornalismo Investigativo nesta sexta-feira, 3, em São Paulo, o juiz Sergio Moro, responsável pela Lava Jato, defendeu a tese de que presos por corrupção sejam expostos à opinião pública, ainda que não tenham sido julgados ou denunciados; quando questionado sobre os vazamentos à imprensa das delações premiadas, Moro opinou: “Defendemos que os processos devam ser públicos, principalmente quando envolve a administração pública, até para que permita um escrutínio da imprensa. Em fase de ação penal, a publicidade desses processos tem que ser ampla, ressalvando alguns casos”; na avaliação do magistrado sobre a Lava Jato, “as prisões têm sido decretadas como exceção”; Moro disse achar importante o encontro com a imprensa, uma vez que muitas vezes é tratado de forma “incorreta”; “Não sou nenhuma besta fera”

Gisele Federicce, 247 – O juiz Sérgio Moro defendeu publicidade ampla em julgamentos quando questionado, nesta sexta-feira 3, sobre os vazamentos de delação premiada no processo da Lava Jato, que estão sob segredo de Justiça, mas são divulgadas pela imprensa.

O juiz participou do 10º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, da Abraji, e foi entrevistado pelo jornalista Roberto D´Avila, da Globonews.

“Defendemos que os processos devam ser públicos, principalmente quando envolve a administração pública, até porque permite um escrutínio da imprensa. Em fase de ação penal, a publicidade desses processos tem que ser ampla. Ressalvando alguns casos que envolvam, por exemplo, crimes sexuais, a Constituição permite a publicidade”, disse Moro. “Agora quanto à administração pública, a publicidade é até uma defesa da democracia. Tem um segredo para preservar a investigação em um certo momento, depois é divulgação ampla”, comentou.

O juiz da Lava Jato avaliou ainda, diante da questão sobre a honra das pessoas que estariam sendo “julgadas pela imprensa” com o vazamento das delações, que é uma “decisão difícil”, mas ressaltou que “o segredo deve ser excepcional”. “Esse argumento justificaria, então, que todo processo fosse sigiloso, incluindo a Ação Penal 470, por exemplo. O mais correto é a população ter acesso a esse caso, poder acompanhar, ou o sigilo até o final para preservar a honra das pessoas? É uma decisão muito difícil. Mas acho que isso já foi determinado pela Constituição, o segredo deve ser excepcional”, opinou.

Sérgio Moro destacou que “toda delação depende de prova para corroboração”. Questionado sobre o porquê de não haver investigação de atos de corrupção de antes de 2003, mesmo que haja delações nesse sentido, Moro respondeu que o juiz é “passivo” e “não tem estratégia de investigação”. A pergunta, segundo ele, deveria ser feita à polícia ou ao Ministério Público Federal. “O que se trabalha dentro do processo penal são as provas, então as provas precisam ser descobertas para que haja um tratamento delas dentro da Justiça”.

Sobre as prisões que vêm sendo determinadas no caso da Lava Jato, ele as avalia como “excepcionais”. “As prisões têm sido decretadas como exceção, sempre decretadas no que exige a legislação brasileira, mas a minha perspectiva é que elas são excepcionais”.

Ao falar sobre os prejuízos econômicos decorrentes da investigação, como interrupção de obras, falência de empresas e até desemprego, Moro usou uma metáfora: “O policial que descobre o cadáver não é responsável pelo homicídio”. Ele admitiu que “o custo disso é grande”, depois que “problemas começaram a aparecer de forma muito clara”, e questionou: “mas qual seria o custo da continuidade (dos crimes)?”. Ele deu como exemplo a “refinaria do Nordeste”, em relação à Abreu e Lima, da Petrobras, que fica em Pernambuco, e lembrou que a obra que era para ser entregue em 2010 até 2014 ainda não havia sido, com o custo “dezenas de vezes” mais alto.

Durante o evento, Moro se recusou a responder a algumas perguntas sobre o processo. Foi questionado, então, se aceitaria falar dessas questões após a conclusão do julgamento. O juiz abordou a importância de não se comentar um caso antes do trânsito em julgado. “Eu não deveria nem estar aqui”, disse, rindo. Ele justificou, porém, que acha o encontro importante, uma vez que muitas vezes é tratado de forma “incorreta” pela imprensa. “Não sou nenhuma besta fera”, afirmou. O magistrado também negou pretensões políticas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens