Renan amaciou com governo depois de conversar reservadamente com Dilma

WhatsApp
Facebook
Twitter


Marlene Bergamo - Folha
Marlene Bergamo – Folha

Josias de Souza
Renan Calheiros reuniu-se reservadamente com Dilma Rousseff na quinta-feira (6) da semana passada. O encontro ocorreu no Palácio do Planalto. Não estava previsto na agenda. Depois dessa conversa, o tratamento dispensado pelo presidente do Senado ao governo sofreu uma guinada.

Dois dias antes, Renan conversava sobre o impeachment de Dilma num jantar com o presidente do PSDB, Aécio Neves, na casa do senador tucano Tasso Jereissati. Seis dias depois, Renan reúne-se nesta quarta-feira (12) com Lula e o vice-presidente Michel Temer para consolidar sua nova condição de escudo de Dilma.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que se opõe abertamente a Dilma e tinha Renan como um parceiro, estranhou a virada radical. Nesta terça-feira (11), em almoço oferecido a um grupo de líderes partidários na sua residência oficial, Cunha atribuiu a metamorfose de Renan a uma troca de interesses do senador com Dilma.

Cunha e Renan aproximaram-se depois que o procurador-geral da República Rodrigo Janot enfiou-os na lista de investigados da Operação Lava Jato. Ambos passaram a atribuir a supostas gestões do governo junto a Janot a inclusão de seus nomes no rol de suspeitos de receber propinas.

Cerca de sete horas antes de receber Renan no Planalto, Dilma concedera audiência ao presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República, José Robalinho Cavalcanti. Ele fora entregar à presidente a lista tríplice com os nome dos mais votados pela corporação para o cargo de procurador-geral da República. Candidato à reeleição, Janot encabeçou a lista.

Cerca de 48 horas depois da conversa com Renan, Dilma recebeu no Palácio da Alvorada o próprio Janot, cujo mandato expira em setembro. O algoz de Renan e Cunha estava acompanhado do ministro José Eduardo Cardozo (Justiça). Foi informado por Dilma de que seria reconduzido ao cargo para um novo período de dois anos.

A indicação foi enviada ao Senado, que precisa ratificá-la em votação secreta. Renan vinha insinuando nos seus diálogos subterrâneos que não facilitaria a vida de Janot. Sinalizava que, no limite, a indicação poderia ser rejeitada. Essa aversão também sumiu. Hoje, Renan acena com uma aprovação relâmpago da recondução de Janot.

Há grande expectativa em Brasília em relação às primeiras denúncias que Janot enviará ao STF contra políticos encrencados na Lava Jato. Em privado, Cunha revela-se incomodado com notícias segundo as quais seu nome estaria na lista de denunciados e o de Renan ficaria de fora.

O presidente da Câmara estranhou também um comentário de Renan sobre a decisão da Câmara de priorizar a votação das prestações de contas de ex-presidentes —uma pré-condição para a análise da escrituração do governo Dilma de 2015, sob risco de rejeição no TCU.

“As pessoas perguntam sobre impedimento, sobre apreciação de contas dos governos anteriores”, disse Renan na segunda-feira, depois de sua reconversão ao governismo. “Isso não é prioridade, à medida que o Congresso tornar isso prioritário, nós estaremos tocando fogo no Brasil.” A eventual reprovação das contas do governo pelo Congresso motivaria um pedido de impeachment de Dilma.

Há duas semanas, Renan recebera em sua residência oficial o ministro Augusto Nardes, relator das contas do governo no TCU. Ele fora justamente pedir prioridade para a votação das contas de governos anteriores, represadas no Congresso desde 2002.

Na saída do encontro, a caminho da residência vizinha, ocupada por Cunha, Nardes disse que o presidente do Senado concordara com seu pedido: “Fiz esse apelo. E a reação foi muito positiva. Será dado prioridade.” De repente, o que parecia positivo para Renan passou a representar coisa de incendiário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens