Secretário de Segurança do RS pede que população aja com as próprias mãos

WhatsApp
Facebook
Twitter



Em meio à escalada da criminalidade no Rio Grande do Sul, agravada por uma crise econômica que desencadeou o atraso de salários dos policiais civis e militares, o secretário estadual da Segurança Pública, Wantuir Jacini, descartou pedir auxílio da Força Nacional e recomendou que os cidadãos agissem com as próprias mãos. A declaração foi dada nesse sábado (26), à Rádio Guaíba, de Porto Alegre.

“Concordo que a sociedade não tem esse preparo, no entanto, a lei permite que qualquer cidadão prenda em flagrante quem estiver cometendo crimes. A obrigação é da polícia, não estou dizendo que todo cidadão faça isso, mas a pessoas mais desprendidas que fizerem estão respaldadas pela lei. Melhor seria não atuar, mas se for inevitável, que atuem”, afirmou o secretário, no momento em que delegados vêm a público insistir que as vítimas nunca reajam a uma ameaça.

A resposta foi dada após questionamento sobre como a população deve proceder diante uma ameaça, como a que ocorreu na sexta-feira (25), quando atiradores dispararam contra um posto de saúde ferindo sete e deixando um morto na Vila Cruzeiro, zona sul de Porto Alegre. Horas depois, três homens atearam fogo a um ônibus no mesmo bairro, como represália, segundo a polícia. Quatro passageiros ficaram intoxicados pela fumaça.

A declaração de Jacini repercutiu nas redes sociais. De forma bem-humorada, porto-alegrenses criticaram o secretário. “Partiu milícia”, sugere uma internauta. “Minha arma será um guarda-chuva”, comentou uma outra.

Histórico de polêmicas

Essa não é a primeira declaração polêmica do Secretário da Segurança. Em abril, ao comentar o episódio em que uma menina de sete anos morreu ao ser atingida por um tiro de fuzil enquanto dormia, Jacini deu a entender que as famílias também são responsáveis em casos como este.

“Antigamente, o pai era apenas o provedor do lar e a mãe ficava fazendo a educação. Hoje a mãe sai para prover o lar também e as crianças ficam sozinhas, ficam na rua, à mercê de todos os criminosos, principalmente nas periferias”, declarou.

Já no início do mês, quando em um intervalo de 13 horas sete pessoas foram mortas na região metropolitana do Estado, o secretário relativizou a gravidade dos números: “A maioria dessas vítimas tinha antecedentes criminais, a maioria delas. Não se trata de pessoas que não tivessem antecedentes. Claro que é uma coisa que nos impacta, porque são muitas vítimas. Mas impactaria muito mais se as vítimas não tivessem antecedentes criminais. Dessas, a maioria tem. Então, é uma situação que impacta, mas não gera a mesma consternação que causaria se fossem pessoas que não tivessem antecedentes”, destacou na época ao jornal Zero Hora.

Jacini foi nomeado secretário da Segurança do RS após a posse do governador José Ivo Sartori (PMDB). Policial federal, antes de assumir a pasta, ele era secretário de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul.

A reportagem tentou contato por telefone neste domingo com a assessoria do secretário, mas não obteve retorno.

UOL

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens