Silvio Costa: Cunha tem que se explicar ao povo

WhatsApp
Facebook
Twitter



Crítico ferrenho da gestão do presidente da Câmara, o deputado Silvio Costa (PSC-PE) comentou, em entrevista ao 247, a denúncia de que o peemedebista recebeu US$ 5 milhões em propina; “Sugiro até a ele que mude o pronunciamento em cadeia nacional, para que aproveite e explique essa delação”, disse, sobre a fala de Eduardo Cunha em rádio e TV nesta sexta; sobre Cunha ter dito que consulta juristas por um pedido de impeachment contra Dilma, o parlamentar se irritou: “Eu não acredito que Eduardo Cunha tenha tido a petulância de pedir uma avaliação jurídica para isso. Ele sabe que não existem motivos jurídicos para um impeachment. Se ele admitiu isso, é irresponsabilidade, está trabalhando contra o País”

Por Gisele Federicce, 247 – Em uma nova saraivada de críticas ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o deputado federal Silvio Costa (PSC-PE) afirmou, em entrevista ao 247, que o peemedebista deve explicações ao povo brasileiro a respeito da denúncia de que recebeu US$ 5 milhões em propina, de acordo com Júlio Camargo, delator na Operação Lava Jato.

“Sugiro até a ele que mude o pronunciamento em cadeia nacional, para que aproveite e explique essa delação”, disse Silvio Costa, na noite desta quinta-feira 16. O deputado discordou da declaração de Cunha, feita a jornalistas durante balanço do semestre legislativo, de que o Congresso voltaria “mais duro” contra o governo Dilma após o recesso. “Quem vai voltar mais raivoso é ele. Eu não vejo esse clima aqui no Congresso”, disse.

Silvio Costa se mostrou irritado com a informação de que Cunha consulta juristas sobre um pedido de impeachment contra a presidente, feito à Câmara pelo Movimento Brasil Livre. “Eu não acredito que Eduardo Cunha tenha tido a petulância de pedir uma avaliação jurídica para isso. Ele sabe que não existem motivos jurídicos para um impeachment”, afirmou. Para o deputado, o gesto demonstra “irresponsabilidade” de Cunha. “Ele está trabalhando contra o País”, protestou.

Confira abaixo a entrevista:

O senhor é um duro crítico da gestão do presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Como vê essa denúncia contra ele, de que recebeu US$ 5 milhões em propina?

De qualquer forma você tem que entender que no artigo 5º da Constituição, inciso 52, existe um princípio da presunção de inocência. Por outro lado, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal são instituições profundamente respeitadas no Brasil. Então essas instituições evidentemente estão investigando e, é claro, o deputado Eduardo Cunha vai ter que dar as explicações que o povo brasileiro vai querer ouvir. Sugiro até a ele que mude o pronunciamento amanhã à noite, em cadeia nacional, que aproveite e explique essa delação, é uma oportunidade para ele se explicar.

A denúncia tira as condições de ele se manter no cargo?

Ele já não tinha condição de estar no cargo desde o início, por isso não votei nele, votei no [Arlindo] Chinaglia (PT-SP).

Durante o balanço do semestre legislativo nesta quinta, o Cunha disse acreditar que o Congresso deverá voltar “mais duro” após o recesso, no sentido de estar mais crítico ao governo. O senhor concorda?

Olha, Eduardo Cunha não pode falar em nome do Congresso. Acho que cada dia ele está falando menos, inclusive em nome do partido dele, que está dividido em relação a ele. Quem fala em nome do Congresso é Renan Calheiros (PMDB-AL). Ele representa a Câmara, mas não pode transformar um desejo pessoal numa performance do Congresso, da Câmara. Eu não vejo isso não, pelo contrário, ele tem que se preocupar, como presidente da Casa, em dar explicação aos seus pares e ao povo.

Mas então o senhor discorda que o Congresso deve voltar mais raivoso?

Quem vai voltar mais raivoso é ele, eu não estou vendo esse ambiente aqui no Congresso. Pelo contrário, a economia dá sinais de que o segundo semestre vai ser melhor. Todo mundo sabe que a presidente Dilma é uma pessoa digna, correta. Está viajando para a Rússia, para os Estados Unidos, buscando investidores. A oposição termina o semestre de forma muito pequena, menor. De um lado o [governador de São Paulo, Geraldo] Alckmin se movimenta para ser candidato, de outro, Aécio [Neves] com raiva. O PSDB está realmente sem discurso, só faz brigar o tempo todo. E as críticas que eles fazem ao governo Dilma são inconsistentes.

O presidente da Câmara também disse a jornalistas que consultou juristas sobre um pedido de impeachment feito pelo Movimento Brasil Livre à Câmara…

Ele disse isso? Eu não acredito que Eduardo Cunha tenha tido a petulância de pedir uma avaliação jurídica pra isso. Ele sabe que não existem motivos jurídicos para um impeachment. Sabe que na Constituição da República, o impeachment só pode valer se o presidente cometeu um equívoco no mandato atual. Mesmo que no TCU – aliás, nunca vi fazer um barulho desses em um julgamento de contas – reprove as contas do governo, a última palavra é do Congresso. E mesmo que o Congresso reprove – e é claro que não vai reprovar – isso não seria motivo para impeachment. Segundo o TSE, as contas da presidente Dilma já foram julgadas e aprovadas, se não ela não teria sido diplomada. Então isso é irresponsabilidade dele, se ele admitiu isso, isso é irresponsabilidade, trabalhar contra o País. Porque um presidente de uma Câmara a dizer uma frase dessa, ele prejudica o País na comunidade internacional.

Ele também declarou que o PMDB “não aguenta mais” a aliança com o PT.

Cunha vem com mágoa do PT desde que o PT lançou candidato à Presidência da Câmara. Desde aquele momento, ele vem acirrando com o PT. Eu não sou do PT, mas acho que ele está sendo muito injusto com o PT. Quando terminou a eleição, o PT desarmou o palanque, ele é que está com o palanque armado até hoje. Ele queria ser candidato único.

E em relação ao governo Dilma, ele se utiliza da oposição e a oposição se utiliza dele. Essa sinergia que está havendo… por exemplo, ele foi para a Rússia e levou vários deputados da oposição. Evidentemente que eles não foram conversar apenas sobre a Câmara Federal. É claro que essa viagem tem um simbolismo político. Ele diz à oposição o seguinte: ‘me dê segurança, fiquem comigo que eu vou peitar a Dilma. Ele utiliza a oposição para peitar o governo. Por outro lado, se utiliza do governo prometendo aos aliados dele que vai liberar emendas, que vai ajudar na nomeação de cargos, para manter a tropa dele. E aí é que eu acho que o governo tem que mudar a relação com Eduardo Cunha. O governo não pode ficar acuado, tem que ir para o enfrentamento. Até porque o PMDB está no governo, é sócio do governo. Na hora que Cunha está criando dificuldade na Câmara, também está criando para [o vice-presidente e articulador político] Michel Temer (PMDB). O [deputado] Jarbas [Vasconcelos, PMDB-PE], por exemplo, fez duras crítica a ele. E nem aliado de Dilma Jarbas é.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens