Tereza Crúvinel: PSDB garantiu vitória de Cunha

WhatsApp
Facebook
Twitter

 
‘No voto secreto, partido de Aécio Neves traiu o candidato do PSB, Julio Delgado, e ajudou Eduardo Cunha a liquidar a fatura, fazendo barba, cabelo e bigode sobre o Palácio do Planalto‘, diz a jornalista Tereza Cruvinel, colunista do 247, sobre a eleição do peemedebista para a presidência da Câmara em primeiro turno, com 267 votos; “Este detalhe apenas reforça a percepção do PT de que, depois de sua eleição, apesar do discurso conciliador ao tomar posse, a vida do governo jamais será a mesma”; “Ele agora é o dono da bola, da pauta e da agenda”, acrescenta
Por Tereza Cruvinel

A eleição do deputado Eduardo Cunha para a presidência da Câmara em primeiro turno, com 267 votos, aconteceu com a ajuda decisiva do PSDB, que no voto secreto traiu o candidato do PSB, Julio Delgado. Este detalhe apenas reforça a percepção do PT de que, depois de sua eleição, apesar do discurso conciliador ao tomar posse, a vida do governo jamais será a mesma. A derrota do governo foi acachapante. Apesar de todo o empenho, Arlindo Chinaglia teve apenas 136 votos, o que refletiu a grande resistência dos deputados ao governo Dilma.

Cunha formou um bloco com 215 deputados para concorrer à presidência. Acabou tendo 267 votos. De onde eles vieram? Boa parte, do PSDB que jurou apoiar Julio Delgado. O candidato do PSB sempre teve 80 votos seus, de seu bloco, aos quais somaria os 55 do PSDB. Se os tucanos tivessem honrado o acordo, Delgado teria tido pelo menos 130 votos, não apenas 100. Os votos tucanos (e outros mais da base governista) é que ampliaram os votos de Cunha para além do tamanho de seu bloco.

No meio da tarde, os tucanos avaliaram que se Eduardo Cunha não ganhasse no primeiro turno, a vitória no segundo, com a migração de boa parte dos votos de Delgado para Chinaglia, ficaria bem mais difícil. Diante desta avaliação, resolveram descarregar logo em Eduardo Cunha para liquidar a fatura, fazendo barba, cabelo e bigode sobre o Palácio do Planalto.

Tempos difíceis virão para a presidente Dilma, apesar do discurso conciliador de Cunha, afirmando que não se elegeu para fazer oposição ao governo. Ele agora é o dono da bola, da pauta e da agenda. Os petistas admitem que a governabilidade será muito mais difícil. Afinal, casaram-se com o PMDB, que agora lhes impôs esta derrota. Mas como o partido tem o vice-presidente, vão continuar formalmente casados, embora dormindo em quartos separados. A aliança praticamente acabou. Nenhum peemedebista, em momento algum, ficará contar Cunha para apoiar o governo. Isso, no cotidiano da Câmara. Outros 500 serão os desdobramentos da Operação Lava Jato, que em breve chegarão ao Congresso. Isso é tema para outro post.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens