Troca de mensagens não anula provas do roubo do quadrilhão do PT

Provas abundantes levaram a condenação de Lula, Dirceu, Palocci et caterva Casos de Lula emperram no DF, e […]


Troca de mensagens não anula provas do roubo do quadrilhão do PT

Provas abundantes levaram a condenação de Lula, Dirceu, Palocci et caterva

Casos de Lula emperram no DF, e depoimento do réu já atrasa 1 ano e meio
Ex-presidente Lula ao conceder entrevista, na sede da Polícia Federal, em Curitiba (PR), onde está preso. Foto: Marlene Bergamo/Folhapress

A troca de mensagens atribuídas ao então juiz Sérgio Moro e procuradores, agora envolvendo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux, não alteram o que determinou a condenação do ex-presidente Lula, seus lugares-tenente José Dirceu e Antonio Palocci e outros ladrões fisgados pela Lava Jato: as abundantes provas materiais e testemunhais, incluindo a confissão de corruptores e corrompidos. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

A troca de mensagens não anula os R$56 milhões auferidos por Lula em um ano de “palestras”, nem seu saldo bancário de R$10 milhões.

A troca de mensagens não faz sumir as provas mostrando que Lula recebeu o tríplex do Guarujá e obras no sítio em Atibaia como propina.

Em terra estranha, métodos estranhos
A troca de mensagens não desfaz o “pacto de sague” entre Lula e Emílio Odebrecht, em troca de R$350 milhões, revelado por Palocci.

A troca de mensagens apenas alimenta o que o ministro do STF Luís Roberto Barroso chamou de “euforia dos corruptos”.

 

Diariodopoder.com.br


Seja o primeiro a colaborar

Deixe seu comentário!

Informe seu nome
Informe seu email