A arte de aprender e a arte de ensinar – Rodrigo Augusto Macedo Marinho

WhatsApp
Facebook
Twitter



A Maçonaria é uma união de homens livres e de bons costumes, escolhidos entre aqueles que, a par de boas qualidades, tenham instrução suficiente para compreender e praticar os ensinamentos maçônicos. É uma escola de aperfeiçoamento pessoal e social, disseminada em diversas lojas pelo mundo. Pratica a fraternidade, o amor ao próximo, constitui um modelo de Paz Universal, Justiça e Igualdade. É a base dos deveres para com a Pátria, a Família e a Sociedade.

O Aprendiz é o primeiro grau da maçonaria simbólica, neste grau o neófito tem o dever de aprender e o primeiro dever de um bom maçom é trabalhar em si mesmo.

Antigamente o aprendiz era o auxiliar dos mestres de obra, ele via e aprendia, pois, filosoficamente, não sabia ler e nem escrever.

Aprendemos que, sendo o primeiro grau, o alicerce da filosofia simbólica, compete ao Aprendiz Maçom o trabalho de desbastar a pedra bruta, transformando-a em pedra polida, que nada mais é que, por meio do ensinamento, possa ocorrer nossa transformação moral. Para tanto usamos o Maço e o Cinzel, nossas primeiras ferramentas.

Nesta fase, o aprendiz maçom recém chegado das realidades nefastas do mundo profano e que está em processo de adaptação ao aperfeiçoamento necessita do apoio incondicional de seus mestres.

Neste sentido, o Mestre Maçom tem um importante papel: Ensinar.

Assim como no mundo profano, na fase de criação da personalidade, aprendemos o que vemos e ouvimos, o mestre tem um importante dever que é voltar aos primeiros passos na Ordem e colocar em prática o que aprendeu. É um ciclo, aprendemos para mais tarde ensinar. E isto torna a responsabilidade do mestre maçom ainda maior, pois o que mais importa não é o que aprendemos, mas sim com quem aprendemos.

A arte de aprender e a arte de ensinar estão intimamente interligadas, porque a arte de ensinar consiste na pratica de começar a ensinar a si mesmo.

Muitas vezes presumimos, em determinada fase da vida, que já não precisamos mais aprender, assim como acontecem com alguns universitários quando se formam, muitos chegam a esquecer da necessidade de continuar a estudar e de cada dia aprender uma nova coisa.

O maior Mestre que já passou por este mundo, chama-se Jesus de Nazareth. Em momento algum Jesus se considerou diferente, ou seja, Deus. Ele sempre se auto intitulou como o Filho do Homem, jamais aceitou qualquer outro tipo de

qualificação, admitiu apenas um único título que foi o de Mestre. E não há dúvidas, Jesus foi um Mestre, por excelência, porque não lecionou em nenhuma faculdade, não escreveu nenhuma linha, mas conseguiu algo muito superior: gravou seus ensinamentos no coração dos seus seguidores e estes quando certa vez lhe perguntaram qual é o maior no reino dos céus, ele não precisou de muitas qualificações técnicas para tirar esta dúvida: pegou uma criança no colo e disse: “Quem, pois se tornar humilde como este menino será o maior no reino do céu.”(MT. 18, 1-4)1

Ao iniciarmos na Ordem, aprendemos que na maçonaria se busca valores contrários ao do mundo profano, na maçonaria buscamos o aperfeiçoamento moral, o respeito pelo outro, a ponderação, a paciência, entre tantas outras qualidades que elevam a alma e não simplesmente a matéria.

O aprendiz por sua natureza é um neófito que está ávido por explorar os caminhos da arte real, é o novo, e o novo desperta interesses e curiosidades, e nessa caminhada pode dar passos maiores do que as pernas, ou seja, pode errar.

Não podemos esquecer as sábias palavras do Papa Francisco, quando em recente visita ao Brasil, indagado por um repórter sobre as manifestações dos jovens, respondeu “O jovem tem a ilusão da utopia e a utopia não é sempre negativa. A utopia é respirar e olhar adiante. O jovem tem menos experiência de vida, mas às vezes a experiência nos freia. E ele tem mais energia para defender suas ideias. Um jovem é essencialmente um inconformista e isso é muito lindo. É preciso ouvir os jovens, cuidar para que não sejam manipulados”., concluiu o santo padre.2

Por esta razão o Mestre com toda a paciência e ponderação, que já lhe é peculiar, deve ajudar o aprendiz.

Na visão do irmão português Mestre Rui Bandeira da loja Affonso Domingues: Ser Mestre Maçom é descobrir que a melhor forma de aprender é ensinar e assim escrupulosamente executar o egoísmo de ensinar os mais novos, os que ainda estão a trilhar caminhos que já trilhou, dando-lhes o valor das suas lições e assim ganhando o valor acrescido do que aprende ensinando – e sempre o homem atento aprende mais um pouco de cada vez que ensina.3

Já ouvi uma pergunta várias vezes “O que é que você ganhou quando entrou na maçonaria?”. Temos que entender que esta pergunta quando feita por um profano,

pessoas, por vezes, cheias de defeitos e apegadas às coisas do sistema capitalismo, se trata de ganho material e neste sentido, nós não ganhamos nada. Pelo contrário, temos que tirar dinheiro do bolso, uma vez que a Ordem nos impõe obrigações pecuniárias. No entanto o “ganho” em fazer parte da Irmandade é justamente o ensino que recebemos diariamente, quando nos confrontamos com a moral maçônica. Os valores morais da ordem são tão sólidos que são capazes de modificar a nossa visão sobre o mundo, e assim nos fazendo lutar com avidez por uma sociedade cada vez mais livre, justa e fraternal.

A maçonaria como uma Ordem Social, é fundada na base da hierarquia, assim o Mestre Maçom tem os aprendizes na sua dependência, mas deve sempre tratá-los com bondade, respeito e humildade, porque são seus iguais perante o Supremo Arquiteto, usando da sua autoridade para ensiná-los e evitando tudo o que poderia tornar a subordinação penosa e traumática. E o aprendiz, por sua vez, como bom subordinado, sabe qual é sua devida posição, e tem o dever de aprender com seus mestres, observá-los e copiá-los.

Assim, em todas as Lojas os Aprendizes e os Companheiros, estarão sempre olhando para os Mestres.

Quando entramos na Ordem recebemos uma missão: o de buscarmos a perfeição, e o bonito da Ordem, é mesmo conscientemente sabendo que não iremos galgar este posto, dada a fraqueza da carne, algo superior e mais forte faz com que os bravos homens persistam na arte de edificar templos a virtude, cavando masmorras ao mal.

Ser Maçom não é dom, não é posto, e não é status, ser maçom é o reconhecimento de atos, atos praticados dentro de loja, e, sobretudo fora da mesma, assim concluímos que devemos sempre está aprendendo, ensinando e principalmente praticando, pois ninguém pode-se dizer maçom, como tal poderemos ser reconhecidos.

Ir.’. Rodrigo Augusto M. Marinho A.’.M.’.

A.‘.R.‘.L.‘.S.‘. Estrela de Rondônia nº 2106 -GOB/RO, Benfeitora da Ordem.

Or.`. Porto Velho – RO – Esse artigo foi publicado na revista Consciência , na edição de nº 117 – Essa revista é uma das maiores referência de trabalhos maçônicos do Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens