Com o PIB na cadeia o que acontece na economia?

WhatsApp
Facebook
Twitter



Moacyr Lopes Junior/Folhapress:
Já estão presos, em Curitiba, o presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo (à esquerda), e o dono da Odebrecht, Marcelo Odebrecht (à direita); os dois comandam os grupos empresariais que estão à frente dos maiores projetos de infraestrutura do País, como Belo Monte, Angra 3 e as concessões dos aeroportos; antes que a Lava Jato os atingisse, eles enxergaram de camarote a ruína de concorrentes; a OAS, por exemplo, entrou em recuperação judicial e colocou à venda vários de seus ativos, como a concessão do aeroporto de Guarulhos; a Mendes Júnior colocou em ritmo lento as obras do Rodoanel; a UTC demitiu mais de um terço de seus funcionários; a Galvão também foi à bancarrota e a Camargo Corrêa foi alvo de pedidos bilionários de indenização; sem crédito, as construtoras brasileiras agonizam e demitem; se Odebrecht e Andrade também pararem, com elas parará o País; recessão deve se acentuar, com mais demissões, e o pacote de concessões poderá não ter investidores brasileiros

247 – Dois dos homens mais ricos e poderosos do Brasil, Marcelo Bahia Odebrecht e Otávio Marques Azevedo, dormirão hoje a primeira noite de suas vidas numa prisão. Marcelo, como presidente da Odebrecht, emprega mais de 100 mil pessoas. O mesmo acontece com Otávio, que preside o conselho da Andrade Gutierrez, grupo que, além da construtora, é também controlador da empresa de telefonia Oi.

Até recentemente, ambos frequentavam salões, palácios e eram interlocutores privilegiados da imprensa nacional. Como capitães de indústria, eram sempre convidados a falar sobre perspectivas de investimento e caminhos para a economia brasileira. Agora, estão fichados como criminosos e, caso seja mantida a lógica da Operação Lava Jato, receberão condenações em primeira instância que os manteriam presos para o resto de suas vidas.

Ao justificar as prisões, o juiz Sergio Moro, condutor da Lava Jato, argumentou que, nos últimos sete meses, ambos nada fizeram para conter a corrupção de suas empresas. Disse ainda que a prisão é um remédio amargo para conter o “ciclo delitivo”, mais indolor do que a segunda alternativa, que seria a suspensão de todos os contratos das duas empresas. Portanto, prender causaria menos dano à economia do que banir as duas maiores construtoras brasileiras da cena empresarial.

Os efeitos no mundo real, no entanto, serão devastadores. Basta notar com o que aconteceu com as outras empreiteiras atingidas pela Lava Jato. O caso mais dramático é o da OAS, que entrou em recuperação judicial e colocou praticamente todos os seus ativos a venda, como a empresa Invepar e a concessão do Aeroporto de Guarulhos, recentemente ampliado.

A UTC Constran demitiu nada menos que um terço dos seus funcionários e também colocou à venda a concessão do Aeroporto de Viracopos, em Campinas. Também em recuperação judicial, a Galvão Engenharia luta para sobreviver. Já a Queiroz Galvão chegou a paralisar as obras olímpicas no Rio de Janeiro. E a Mendes Júnior, sem crédito, colocou em marcha lenta as obras do Rodoanel em São Paulo.

Na prática, o setor de engenharia no Brasil entrou em colapso. As construtoras já demitiram mais de 100 mil pessoas e devem demitir ainda mais. Obras, como a transposição do São Francisco, avançam em ritmo lento. E outros projetos, que poderiam fazer o País deslanchar com o novo programa de concessões, terão dificuldades para encontrar investidores. Afinal, agora que Andrade e Odebrecht também caíram na roda da Lava Jato, não há uma única empresa brasileira de engenharia relevante que esteja em boa situação econômica.

Além do impacto no Brasil, as construtoras nacionais serão também duramente atingidas no mercado internacional. A Odebrecht, por exemplo, que é uma das maiores na África, na América Latina e no Caribe, agora tem seu dono na cadeia – fato que, certamente, será explorado por concorrentes. O mesmo ocorrerá com a Andrade, que também se internacionalizou nos últimos anos.

Depois dessa décima-quarta fase da Lava Jato, haverá ainda muita pressão para que todas as construtoras brasileiras, que ergueram obras que orgulharam a engenharia mundial, como Itaipu, por exemplo, sejam declaradas inidôneas. Assim, seriam impedidas de participar de novas licitações.

Guerra de extermínio

Caso prevaleça esse cenário, no entanto, o mercado brasileiro terá que ser totalmente aberto a construtoras internacionais – tese que já foi defendida pelo jornal O Globo. Assim, em vez de empresas brasileiras atuando nos canteiros de obras, haveria companhias como, por exemplo, a americana Halliburton, que financiou a campanha de invasão do Iraque.

O mais provável, no entanto, é que as empresas brasileiras possam continuar a atuar, ainda que extremamente combalidas. Já é consenso no mercado financeiro que, depois desta sexta-feira, a recessão prevista para 2015 irá se acentuar no Brasil. E enquanto as lideranças políticas promovem uma guerra de extermínio, sem demonstrar nenhuma capacidade de diálogo, o Brasil afunda.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240724_173111_WhatsApp
Quatro anos do falecimento do colega Lourival Brito de Souza.
Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens