Príncipe da Oldebrecht pode implodir o país

WhatsApp
Facebook
Twitter



Treinado nos Estados Unidos e preparado desde cedo pelo avô Norberto e pelo pai Emílio para assumir o comando do maior grupo empresarial do País, Marcelo Odebrecht cometeu um erro: foi, ao mesmo tempo, acionista e executivo de uma empresa que está envolvida nos maiores projetos nacionais, como Belo Monte, as usinas do Madeira, as concessões dos aeroportos e as obras da Copa e das Olimpíadas; como era também o presidente da Odebrecht, Marcelo agora é acusado pela força-tarefa da Lava Jato de ter avalizado o pagamento de propinas pagas a agentes políticos; embora sua empresa seja frequentemente associada ao ex-presidente Lula, Marcelo Odebrecht é íntimo de toda a classe política; recentemente, foi convidado por João Doria para um jantar em homenagem a FHC, em cujo governo o grupo foi fortemente favorecido com a criação da Braskem; se não suportar as dores do cárcere e decidir falar, a república poderá ser refundada, como desejam os integrantes da força-tarefa da Lava Jato

247 – Marcelo Bahia Odebrecht, o maior empresário brasileiro, está, neste momento, atrás das grades. É o principal tubarão fisgado pela décima-quarta fase da Operação Lava Jato, batizada pelos investigadores como erga omnes, ou seja, para todos. “A lei deve valer pra todos ou não valer pra ninguém”, disse, em entrevista coletiva, o procurador Carlos Fernando de Santos Lima (leia mais aqui).

Um dia antes, em entrevista ao jornalista Fausto Macedo, do jornal Estado de S. Paulo, Lima falou em “refundação da república”. Portanto, já era uma antecipação para o que viria acontecer neste 19 de junho de 2015, que poderá ficar marcado como o dia da queda de uma monarquia empresarial no Brasil.

Recentemente, num perfil sobre os homens mais influentes do Brasil, Marcelo foi retratado como Odebrecht III. Isso porque, desde cedo, ele foi preparado para suceder o avô, Norberto, e o pai, Emílio, naquele que é o maior grupo empresarial do Brasil, com mais de 100 mil empregados e envolvimento direto em todos os grandes projetos do País: das usinas de Belo Monte e Angra 3 às obras olímpicas, passando pelas concessões de estradas e aeroportos, assim como pelo projeto do submarino nuclear.

Na Odebrecht, Marcelo iniciou sua carreira nos Estados Unidos, onde a empresa executou obras importantes, como o Aeroporto de Miami. Desde cedo, foi educado e preparado como um príncipe para se tornar um dos principais capitães de indústria no Brasil. Sob sua gestão, iniciada em 2001, a empresa deslanchou. O pai, Emílio, considerou cumprida sua missão após conseguir realizar, no governo FHC, o maior negócio de sua vida, que foi a criação da Braskem, uma empresa que praticamente monopoliza a petroquímica no Brasil, sob a liderança da Odebrecht.

Com Marcelo, a empresa deslanchou em vários setores. No setor de energia, seu portfólio acumula a construção de 81 usinas hidrelétricas, 17 usinas térmicas, duas usinas nucleares, barragens, além da implantação de 5,7 mil km de linhas de transmissão. Ao todo, são mais de 60 mil megawatts em projetos. Foi também com ele que se intensificou a internacionalização da companhia, com obras em países da América Latina e da África, como Angola.

Sob pressão para delatar

Agora preso em Curitiba, Marcelo será submetido ao mesmo jogo de pressões pelo qual passaram executivos de empresas menores. A diferença, em relação aos outros, é que, além de executivo, Marcelo é também acionista. Ou seja: enquanto os donos de empresas como Camargo Corrêa, na fase inicial, e Andrade Gutierrez, nesta de agora, foram poupados, Marcelo é o dono preso. Enquanto seus rivais atuavam apenas no conselho, e poderão alegar desconhecimento das propinas pagas, ele era acionista e diretor-presidente ao mesmo tempo.

Como a Odebrecht disparou nos governos do ex-presidente Lula, passou a ser identificada pela imprensa que hoje está engajada na campanha contra o PT como uma empresa vinculada ao chamado ‘lulopetismo‘. No entanto, Marcelo Odebrecht conhece como a palma de sua mão toda a classe política brasileira. No início da Lava Jato, pressionou o senador Aécio Neves (PSDB-MG) para que sua empresa não fosse convocada a depor na CPI da Petrobras. Até porque ele poderia abrir as doações realizadas para políticos de todos os partidos nos últimos anos.

Recentemente, Marcelo foi um dos convidados para um jantar organizado pelo tucano João Doria, potencial candidato à prefeitura de São Paulo pelo PSDB, em homenagem ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. A Odebrecht conhece, nos mínimos detalhes, a vida de todos os políticos brasileiros, com alguma relevância. Caso Marcelo decida falar, não apenas a república será refundada, como deseja o procurador Carlos Fernando Lima, como a política brasileira terá que ser reinventada, a partir do zero.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens