Dilma ainda está no poço, mas parou de cavar

WhatsApp
Facebook
Twitter


Beto Barata - Folha
Beto Barata – Folha

Josias de Souza 1
“Investimentos” foi a palavra que Dilma Rousseff mais pronunciou no discurso de lançamento do seu plano de concessões (pode me chamar de privatizações). Soou 30 vezes. Somando-se todas as variações —‘‘investindo‘‘, “investe‘‘, “investir‘‘ e “investidores‘‘—, chega-se a 37 repetições. Os verbo “crescer” e o substantivo “desenvolvimento” mereceram cinco menções cada.

No discurso de Dilma, os termos de conotação otimista prevaleceram com sobras sobre os vocábulos que que exalam pessimismo. A oradora falou sete vezes em “dificuldades”. Citou “ajustes” duas vezes. E referiu-se à “crise” uma mísera vez. Ela estava decidida a demarcar o início de “uma progressiva virada de página, gradual e realista.”

Virada de página? Só se for para trás. Os desdobramentos da Operação Lava Jato e a estagflação que conspurca 2015 avisam que Dilma é, por ora, apenas um passado lamentável para fazer você desconfiar do presente e desacreditar do futuro. Porém…

Já é possível afirmar que o segundo mandato de Dilma vive um momento diferente. A presidente continua no fundo do poço. Mas ela já parou de cavar. No plano de concessões à iniciativa privada, por exemplo, Dilma escondeu a pá ao ressuscitar o modelo adotado sob FHC, que sempre refugara.

Dilma depende de um grande, de um enorme, de um extraordinário esforço conjunto para alcançar a beirada do poço. Porém, a conjuntura já não rosna para o seu governo com a mesma intensidade.

As panelas silenciaram momentaneamente. As ruas não saíram mais de casa. E a oposição mudou de assunto. Não fala mais em impeachment. Reunida nesta terça-feira, em Brasília, a cúpula do PSDB preferiu tratar da estratégia a ser adotada na votação da proposta de redução da maioridade penal.

Os aliados da onça Renan Calheiros e Eduardo Cunha também demonstraram que, nas matérias que realmente importam no Congresso, Dilma não perde por esperar. Ganha. À custa de muita distribuição de cargos, o Planalto prevaleceu nas votações relacionadas ao ajuste fiscal.

Os presidentes do Senado e da Câmara ainda poderiam criar problemas com o projeto que reduz as desonerações da folha de 56 setores da economia, pendente de votação. Mas Cunha parece ter enxergado na proposta uma oportunidade a ser aproveitada. E Renan mostrou que dispõe mais de gogó do que de infantaria.

Auxiliares de Dilma constatam que a dieta, os passeios de bicicleta e a queda do pedestal a transformaram num ser mais amistoso. Ela trata o articulador político Michel Temer e o ministro Joaquim Levy com rara deferência. Procede assim a despeito do nariz torcido do petista Aloizio Mercadante para ambos. No mais, há tempos que Dilma não passa carraspanas em seus interlocutores mais frágeis. Nas palavras de um observador, “as dificuldades humanizaram a presidente.”

Ironicamente, a principal ameaça ao bom humor de Dilma é o partido dela. Mas Lula e os dirigentes do grupo majoritário do PT agem para colocar num cercadinho os radicais do Congresso Nacional do partido, que começa nesta quinta-feira (11), em Salvador.

De resto, os petistas com alguma capacidade de reflexão já se deram conta de que não haverá Lula em 2018 sem Dilma. E ela, por enquanto, não é senão uma presidência por fazer. A popularidade é miúda. Os problemas, graúdos. A inflação faz sobrar mês no fim do Bolsa Família. O PIB em frangalhos mastiga o emprego. E os serviços públicos nunca estiveram tão próximos de se tornar algo inteiramente novo. Caos não falta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens