Há 18 anos na Justiça Federal, Sergio Moro se inspira em caso italiano para investigar corrupção na Petrobras

WhatsApp
Facebook
Twitter



Se a vida do juiz Sérgio Moro virasse um filme, seria fácil construir a narrativa até o momento em que ele ser tornou protagonista da Operação Lava Jato e, a partir daí, conhecido nacionalmente. Desde que entrou na Justiça Federal, há 18 anos, a impressão que se tem é que Moro vem sendo, ao longo dos anos, preparado para este caso.

As primeiras prisões da Lava Jato assinadas por Moro investigavam mais uma ação de um grupo de doleiros. Entre eles, Alberto Youssef, velho conhecido do juiz por já ter sido preso outras oito vezes no Paraná, estado natal de ambos.
Com os conhecimentos que acumulou ao longo dos últimos anos em julgamentos de lavagem de dinheiro, Moro se deparou com uma investigação da Polícia Federal e do Ministério Público, que foi puxando o fio do novelo (seguindo o dinheiro, como o próprio Moro chegou a dizer em palestra) e chegou ao bilionário esquema de corrupção instalado na Petrobras, maior empresa brasileira, com envolvimento de políticos, doleiros, operadores e empresários.

Estudioso da Operação Mãos Limpas, que acabou com um complexo sistema de corrupção na administração de Milão, na Itália, Moro virou um dos personagens centrais de uma operação no Brasil que pode se tornar tão grande quanto a Mãos Limpas italiana.
Em artigo de 2004, exatos dez anos antes do início da Lava Jato, Moro descrevia a amplitude das Mãos Limpas. “A ação judiciária revelou que a vida política e administrativa de Milão, e da própria Itália, estava mergulhada na corrupção, com o pagamento de propina para concessão de todo contrato público”, escreveu na introdução.

As coincidências entre o objeto de estudo de Moro e a Lava Jato não param na magnitude das duas operações. A Mãos Limpas aconteceu graças a um intenso trabalho do judiciário italiano. Dois anos depois do início das investigações, 2.993 mandados de prisão haviam sido expedidos, 6.059 pessoas estavam sob investigação, incluindo 872 empresários, 1.978 administradores locais e 438 parlamentares, sendo que quatro deles haviam sido primeiros-ministros. E, na Itália, a rede de corrupção chegou até estatal de petróleo italiana, que abastecia os caixas dos partidos políticos com dinheiro vindo de propina.

Não é difícil de se imaginar que Moro queira chegar perto dos números da Mãos Limpas. Além da experiência no assunto, reconhecida nacionalmente a ponto de ter sido requisitado pela ministra Rosa Weber, do STF (Supremo Tribunal Federal), para auxiliá-la no julgamento do mensalão, Moro é conhecido pelos colegas pela sua agilidade. Ele finaliza uma enorme quantidade de trabalho em pouco tempo, chegando inclusive a surpreender os experientes advogados que defendem os empresários das maiores empreiteiras brasileiras presos em Curitiba.

O sistema online de acompanhamento processual da Justiça do Paraná dá pistas sobre os hábitos de trabalho do juiz. A velocidade das atualizações faz com que quem acompanha o sistema de perto acredite que ele leva trabalho para casa.
R7

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens