Família Marinho tentará prender Lula antes de 2018

WhatsApp
Facebook
Twitter



Além de publicar a reportagem vaga que deu origem ao inquérito contra o ex-presidente Lula, o jornal O Globo, dos irmãos José Roberto, Roberto Irineu e João Roberto Marinho, agora acusa o ex-presidente Lula de fazer lobby em favor da Odebrecht no exterior, a partir de telegramas internos do Itamaraty; Globo acusa Lula de ter feito gestões pró-Odebrecht em Portugal e em Cuba; um dos crimes de Lula teria sido comentar, em Lisboa, que empresas brasileiras deveriam se engajar mais no processo de privatização português; “Como o documento mostra, ele comentou o interesse da empresa brasileira pela empresa portuguesa. Que, aliás, era público há muito tempo”, apontou, em nota, o Instituto Lula; caçada da família Marinho ao ex-presidente será implacável até 2018

247 – A caçada da família Marinho ao ex-presidente Lula será implacável daqui até 2018, ano das próximas eleições presidenciais. Embora a Globo, que enfrentava sérias dificuldades financeiras no início do governo Lula, em 2004, tenha sido socorrida com a ajuda do ex-presidente do ex-ministro Antonio Palocci, o que passou, passou. Agora, a palavra de ordem dentro do maior grupo de mídia do País é somar todos os esforços para evitar que Lula possa voltar à presidência.

Os sinais já são evidentes há bastante tempo. Foi o jornal O Globo, por exemplo, que publicou uma nota vaga sobre uma viagem de Lula à República Dominicana, que deu origem ao inquérito aberto no Ministério Público do Distrito Federal contra ele. Foi a revista Época, também do grupo, que, numa capa surpreendentes, o chamou de “Lula, o operador”. Ontem, tanto Época quanto um editorial do Globo (leia aqui), compararam a situação de Lula à de Eduardo Cunha – enquanto um acusado do crime de defender empresas brasileiras no exterior, outro é suspeito de cobrar propina de US$ 5 milhões.

Hoje, os Marinho deram mais um passo em sua tentativa de destruir Lula. Reportagem de capa do jornal O Globo o acusa de fazer lobby para a Odebrecht em Portugal e Cuba. As evidências seriam despachos internos do Itamaraty sobre viagens do ex-presidente. Numa delas, em Lisboa, Lula afirmou que empresas brasileiras deveriam se engajar mais no processo de privatização português, no momento em que a Odebrecht cogitava entrar num leilão de uma empresa lusitana. Em outro, informa-se que Lula se encontrou com Marcelo Odebrecht, preso na Operação Lava Jato, em Cuba.

Em nota, o Instituto Lula defendeu as ações do ex-presidente. “Como o documento mostra, ele comentou o interesse da empresa brasileira pela empresa portuguesa. Que, aliás, era público há muito tempo (…) São inúmeras as empresas brasileiras que acompanham com interesse o processo de privatizações em curso em Portugal”, afirmou o Instituto, sobre a questão de Portugal.

“O ex-presidente não recebeu, não recebe e jamais receberá qualquer pagamento de qualquer empresa para dar consultoria, fazer lobby ou tráfico de influências”, acrescenta ainda a nota. “As visitas a Cuba foram realizadas durante outras viagens do ex-presidente a países nos quais realizou palestras”.

O objetivo da família Marinho parece ser o de influenciar o Poder Judiciário para que Lula seja preso e submetido a constrangimentos antes de 2018. Em editoriais, o Globo já defendeu a abertura do pré-sal a empresas estrangeiras e também que construtoras internacionais substituam as brasileiras até mesmo no mercado interno. Recentemente, O Globo publicou um editorial em que fez um mea culpa por ter apoiado o golpe de militar de 1964, agindo em sintonia com interesses norte-americanos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens