Lula celebra democracia e cutuca ‘Lula inflável‘

WhatsApp
Facebook
Twitter


Em texto publicado para divulgar o lançamento do Memorial da Democracia, acervo histórico que estará na internet a partir do final da tarde desta terça-feira, a página no Facebook do ex-presidente recorda sua “luta incansável” contra a ditadura militar e sua prisão em 1980, “sem uniforme listrado de desenho animado”; “Enquanto esteve detido pelo Departamento de Ordem Política e Social, o então presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo e Diadema não pôde estar ao lado de sua mãe, Dona Lindu, no leito de morte”, destaca a publicação, institulada “Lula em carne e osso”; movimentos anti-governo têm usado um boneco inflável do ex-presidente com roupa de presidiário em protestos que pregam o golpe

247 – O ex-presidente Lula criticou indiretamente nesta terça-feira 1º o boneco inflável que o retrata e que tem circulado em protestos que pregam o impeachment da presidente Dilma Rousseff em Brasília e em São Paulo. O boneco, que custou R$ 12 mil, representa o ex-presidente com roupa de presidiário e a inscrição “171-13” no peito.

“Sem uniforme listrado de desenho animado, a prisão de Lula, em 1980, foi consequência de sua luta incansável para recuperar direitos sequestrados pela ditadura (1964-1985), como a independência dos sindicatos em relação ao Estado, o direito de organização e a liberdade de expressão”, diz trecho do texto publicado na página de Lula no Facebook.

O post, intitulado “Lula em carne e osso”, também em clara alusão ao boneco, foi feito para divulgar o lançamento do Memorial da Democracia, um acervo histórico elaborado pelo Instituto Lula e que estará disponível na internet a partir das 18h desta terça. O lançamento oficial será realizado em São Bernardo do Campo, com a presença do ex-presidente.

Saiba mais sobre o Memorial no blog da jornalista Tereza Cruvinel: Com museu virtual, Lula lança Memorial da Democracia

Leia abaixo a íntegra do texto publicado na página de Lula no Facebook:

LULA EM CARNE E OSSO

Sem uniforme listrado de desenho animado, a prisão de Lula, em 1980, foi consequência de sua luta incansável para recuperar direitos sequestrados pela ditadura (1964-1985), como a independência dos sindicatos em relação ao Estado, o direito de organização e a liberdade de expressão.

Enquanto esteve detido pelo Departamento de Ordem Política e Social, o então presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo e Diadema não pôde estar ao lado de sua mãe, Dona Lindu, no leito de morte.

De volta à atividade sindical e política, Lula viria a se tornar um dos presidentes mais populares da história do Brasil. Em seus governos, o diálogo com todos os setores da sociedade e a grande participação popular possibilitaram o fortalecimento de nossa democracia. Mais de 36 milhões de pessoas saíram da pobreza e o Brasil deixou de figurar no mapa da fome da ONU.

Saiba mais sobre as lutas do povo brasileiro no Memorial da Democracia, acervo histórico que estará online a partir das 18h de hoje:

https://www.facebook.com/events/1617059365229881

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens