Médicos sul-africanos afirmam ter feito primeiro transplante de pênis bem-sucedido

WhatsApp
Facebook
Twitter

 

Cirurgia exigiu longa preparação e foi realizada em nove horas
A identidade do paciente, de 21 anos, está sendo mantida em segredo. Ele havia perdido o órgão em uma circuncisão mal feita.

Médicos da Cidade do Cabo, capital do país, disseram ter havido um grande debate sobre se a operação era eticamente correta, já que, ao contrário de um transplante de coração, não é essencial para salvar a vida de uma pessoa.

Houve tentativas anteriores de transplantar um pênis, uma delas na China. Mas, segundo relatos, apesar de as operações terem corrido bem, o órgão acabo sendo rejeitado pelo organismo do receptor.

Alta demanda
O paciente deste transplante mais recente tinha 18 anos e já era sexualmente ativo quando se submeteu à circuncisão.

Com o procedimento mal feito, ele ficou com apenas 1 centímetro de seu pênis original.
Médicos dizem que a demanda por transplantes de pênis na África do Sul está entre as maiores do mundo.

A circuncisão é comum em partes da África do Sul entre homens, na idade de transição entre a adolescência e a fase adulta.

Dezenas ou até mesmo centenas de meninos acabam sendo mutilados ou morrem a cada ano em cerimônias de iniciação tradicionais.

Dificuldade
Cirurgiões da Universidade Stellenbosch e do hospital Tygerberg estavam à frente da operação de nove horas para implantar do pênis doado, realizada em 11 de dezembro do ano passado.

Um dos médicos, Andre Van der Merwe, que normalmente realiza transplantes de rins, diz que esta operação é muito mais difícil, porque “os vasos sanguíneos do pênis têm cerca de 1,5mm de largura, enquanto, no rim, podem ter 1 centímetro.”

A equipe usou algumas técnicas desenvolvidas para transplantes de rostos para conectar vasos e nervos tão pequenos.

Passados três meses da operação, o paciente vem se recuperando rapidamente, segundo os médicos.
Ele ainda não recobrou a sensibilidade total do órgão, algo que pode levar dois anos.
No entanto, conseguiu urinar, ter uma ereção, um orgasmo e ejacular.
Questão ética

O transplante exigiu uma longa preparação, além de garantias de que o paciente estava ciente dos riscos de ter de usar medicamentos por toda a vida para evitar a rejeição do pênis doado.

Ainda existe o receio de que o receptor tenha problemas em aceitar o novo órgão como parte de seu corpo.

“Psicologicamente, sabíamos que teria um enorme efeito sobre seu ego”, disse Van der Merwe, que acrescenta que demorou bastante tempo para conseguir uma aprovação sob o ponto de vista ético para a cirurgia, que deve ser feita em outros pacientes daqui a três meses.

Uma das preocupações neste aspecto é que os riscos de um transplante de coração têm como contraponto o risco de morte do paciente com uma condição cardíaca. Já o transplante de pênis não prolongaria a vida do receptor.

“Pode não ser algo para salvar a vida de alguém, mas muitos destes jovens que tiveram seu pênis amputados acabam estigmatizados e se suicidam”, afirma Van der Merwe.
“Se você não tem um pênis, você está praticamente morto. Se você devolve o pênis a ele, pode trazê-los de volta à vida.”
BBC Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens