Moro aceita denúncia e Odebrecht vira réu

WhatsApp
Facebook
Twitter



Juiz federal Sérgio Moro, que conduz Operação Lava Jato, aceitou nesta terça-feira, 28, acusação do Ministério Público Federal e determinou abertura de ação penal contra o empresário Marcelo Bahia Odebrecht, que comanda a Construtora Odebrecht, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro; além dele, outras 12 pessoas ligadas à Odebrecht e à Petrobras também responderão à ação penal; segundo despacho de Moro, Marcelo Odebrecht “estaria envolvido diretamente na prática dos crimes, orientando a atuação dos demais”; Moro apresenta mensagens de telefone celular, anotações pessoais e documentos enviados por autoridades suíças como provas de que Marcelo teve participação no pagamento de propinas a diretores da Petrobras; é a primeira ação penal contra o maior empresário do País

Paraná 247 – O juiz federal Sérgio Moro, que conduz Operação Lava Jato, aceitou nesta terça-feira, 28, acusação do Ministério Público Federal e determinou abertura de ação penal contra o empresário Marcelo Bahia Odebrecht, presidente da Construtora Odebrecht, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Além do maior empresário do País, também viraram réus na decisão Marcio Faria da Silva, Rogério Araujo, César Ramos Rocha, Alexandrino de Salles Ramos de Alencar, Paulo Boghossian, o doleiro Alberto Youssef, o operador Bernardo Freiburghaus, os ex-diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa (Abastecimento) e Renato Duque (Serviço), o ex-gerente de Engenharia estatal Pedro Barusco e o funcionário da estatal Celso Araripe D‘Oliveira.

Em seu despacho, Sérgio Moro afirma que Marcelo Odebrecht “estaria envolvido diretamente na prática dos crimes, orientando a atuação dos demais”. Segundo ele, a prática estaria evidenciada nas mensagens de Marcelo em seu telefone celular e anotações pessoais, apreendidas no curso das investigações.

Esta é a primeira ação penal contra Marcelo Odebrecht, que está preso desde 19 de junho. A empreiteira nega envolvimento com o cartel instalado na Petrobras e pagamento de propinas. Para o juiz Sérgio Moro, entretanto, o pagamento das propinas foi feito entre dezembro de 2006 a junho de 2014, principalmente por meio de depósitos no exterior. No total, segundo a decisão de Moro, teriam sido efetuados depósitos de US$ 9.495.645,70 para Paulo Roberto Costa, US$ 2.709.875,87 para Renato Duque e de US$ 2.181.369,34 para Pedro Barusco.

Para Sérgio Moro, a base das ações contra Odebrecht não é advinda apenas de delação premiada. “Em especial, a documentação vinda da Suíça, com, em cognição sumária, a prova material do fluxo de contas controladas pela Odebrecht a dirigentes da Petrobrás, é um elemento probatório muito significativo, sem prejuízo da discussão pelas partes e apreciação final pelo Juízo”, anotou o juiz da Lava Jato.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240724_173111_WhatsApp
Quatro anos do falecimento do colega Lourival Brito de Souza.
Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens