O dia em que morri – Jair Queiroz

WhatsApp
Facebook
Twitter
Devido a um equívoco na interpretação de uma mensagem num grupo de amigos, eu morri! Sim, morri, pelo menos para aqueles que entenderam mal a mensagem e espalharam a notícia de que eu havia “passado dessa para a melhor”, ou “esticado os cambitos”, como dizia um amigo.
Foi estranha a sensação de receber a ligação de um colega que ficou surpreso por estar ouvindo a minha voz: – Nossa! Então você está vivo!? Por uma fração de segundo fiquei em dúvida: – Como assim…eu…claro que sim…é… não sei! Mas enfim, o que está havendo?
Atônito ele disse que já tinha lastimado minha passagem, com nota de pesar e desejado que minha morte tivesse transcorrido em paz. Eu me emocionei com o carinho que ele demonstrou, mas ao mesmo tempo fiquei chocado por saber que tudo ao meu redor continuava igual, independente da minha morte que até então era real para muitos.
Fiquei reflexivo, pois se acaso eu tivesse mesmo partido, parece que no dia seguinte já não faria mais falta no mundo, exceto para meus filhos, os menores.
Entendi que é assim que ocorre, quer dizer, somos importantes, mas só enquanto estivermos vibrando, pois ao passarmos para o além, embora haja quem chore e que por algum tempo ainda possa se lembrar de nós, na real nossa energia e sinergia não voltarão a pulsar no mundo; não retribuiremos à empatia de quem nos tem apreço e nunca mais reverberaremos a simpatia de quem nos desejou a vida eterna.
Ao pó retornaremos! Deve ser um vazio imenso estar morto; um silêncio de dar calafrios e um tédio “de morte”!!
Bem, mas logo o equívoco foi desfeito e nós rimos; rimos e brincamos sobre o chiste do qual ele havia tornado parte e eu ao desligar o celular fui tomado por uma sensação de triunfo muito grande. Afinal eu estava vivo – e ainda estou – e posso descrever o ocorrido com um toque de humor.
Escrevi sobre o caso em enviei para grupos de amigos do wpp, mas não tive retorno. A dúvida voltou: – Afinal eles sempre respondem, mesmo que seja com emojis! Será que de fato enviei a mensagem ou não passou de um desejo de permanecer grudado à matéria? Pode ser que eu tenha dessomado mesmo, mas estou renitente em me desapegar e ir para o além.
Iniciei uma retrospectiva do meu dia, passo a passo. O almoço foi eu que fiz, mas todos comeram sem reclamar; à tarde, ontem, fui andar de bike e um carro tirou “uma fina”, mas foi só um susto e eu prossegui; o boleto do condomínio veio com 40% de acréscimo devido a reforma do prédio. O coração disparou, mas eu chorei e o síndico dividiu em 4 parcelas. Dá para segurar mais essa barra! Enfim, que motivo eu teria para partir dessa para a melh… quer dizer – dessa para a pior?
De repente ouço barulho de chave na fechadura da porta. Minha esposa entrou, colocou os produtos do mercado sobre a mesa, aproximou gentil e sorridente como sempre e me beijou na face. Estávamos sozinhos em casa e aproveitamos a tarde. Aí sim, quase morri, mas no fim repousei feliz e satisfeito!
E VIVA A VIDA!!!
Jair Queiroz é policial aposentado e psicólogo

Uma resposta

  1. Bom dia meu nobre amigo , rapaz por um estante , também pensei que vc já havia partido tb.
    Mas que bom que VC ainda está aqui para continuar escrevendo suas histórias.
    Saúde longa amigo…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens