Sob ameaça, senadores devem votar derrubada do decreto de armas na próxima terça

  Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária. Ordem do dia.rrMesa:rpresidente do Senado Federal, senador Davi Alcolumbre […]


Sob ameaça, senadores devem votar derrubada do decreto de armas na próxima terça
Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária. Ordem do dia.rrMesa:rpresidente do Senado Federal, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP);rsenador Chico Rodrigues (DEM-RR).rrFoto: Waldemir Barreto/Agência Senado

 

Plenário do Senado Federal durante sessão deliberativa ordinária. Ordem do dia.rrMesa:rpresidente do Senado Federal, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP);rsenador Chico Rodrigues (DEM-RR).rrFoto: Waldemir Barreto/Agência Senado
VEJA TAMBÉM

RC usa suas redes sociais para fazer referência positiva a artigo do portal

O projeto de decreto legislativo que suspende o decreto de armas editado pelo presidente Jair Bolsonaro em maio deve abrir a pauta de votações do plenário do Senado nesta terça-feira (18). O presidente do Senado Davi Alcolumbre (DEM-AP) confirmou que há um acordo de lideranças que vai permitir o andamento rápido da proposta, que foi aprovada na última quarta-feira (12) na Comissão de Constituição e Justiça da casa. Neste sábado, o presidente Jair Bolsonaro usou as redes sociais para defender o decreto que facilita a compra e o porte de armas para cidadãos comuns e várias categorias profissionais. Ele pediu que as pessoas pressionem os senadores.

A CCJ do Senado decidiu revogar nossos decretos sobre CACs e posse de armas de fogo. Na terça (18), o PL será votado no plenário. Caso aprovado, perdem os CACs e os bons cidadãos, que dificilmente terão direito de comprar legalmente suas armas. Cobrem os senadores do seu Estado.

Mídia nacional destaca ameaças a senador da PB contrário ao decreto das armas

O tema já era polêmico e ganhou mais repercussão depois que senadores passaram a ser ameaçados por telefone e mensagens. Randolfe Rodrigues (Rede-AP) registrou boletim de ocorrência na polícia do Senado na quinta (13), um dia depois da votação na CCJ, quando recebeu telefonemas com ameaças de morte em seu gabinete, além de mensagens com outros tipos de intimidação pelo Whatsapp. O projeto anulando o decreto de armas é de autoria de Randolfe.

Fabiano Contarato (Rede-ES) também sofre intimidação e comentou a situação por meio de nota. “Estou sofrendo muita pressão e sendo ofendido moralmente. São mensagens que visam que eu vote contra os projetos de decretos legislativos (PDLs) que suspendem as novas regras para porte e posse de armas, editadas pelo governo federal. Não vou recuar. Não me intimidam!”, comentou o senador.

O próprio presidente da casa teria sofrido ameaças, como constam informações na imprensa. Davi Alcolumbre afirmou estar indignado com os atos de violência e que vai garantir a proteção e liberdade de expressão dos parlamentares. “Recebi com indignação as notícias de que senadores da República estão sendo ameaçados por defenderem a derrubada do decreto de armas. É, no mínimo, preocupante que o direito e o dever do exercício da atividade parlamentar, legitimado pelo voto do povo, sejam restringidos por meios covardes e, inclusive, de flagrante injustiça e afronta à segurança dos parlamentares”, diz a nota divulgada para imprensa ainda na noite de sexta-feira. “Como presidente do Congresso, tomarei as providências necessárias para garantir a proteção e a liberdade de expressão constitucional e política de cada legislador. Espero, sinceramente, que os que cometem esse tipo de crime repensem seus atos que pesam não só contra a pessoa de cada parlamentar, mas contra a própria manifestação democrática”, completa o comunicado oficial do presidente do Senado.


Seja o primeiro a colaborar

Deixe seu comentário!

Informe seu nome
Informe seu email