Casa de R$ 2 milhões de ex-deputado petista foi paga com sorvete

WhatsApp
Facebook
Twitter



Acusada do crime de lavagem de dinheiro, a esposa do ex-deputado federal André Vargas (ex-PT), Edilaira Soares, afirmou à Justiça Federal do Paraná que conseguiu comprar um imóvel num condomínio de luxo de Londrina, avaliado em R$ 2 milhões, apenas com o dinheiro fruto de uma pequena sorveteria, de uma modesta loja de confecções e da venda de perfumes a domicílio.

As informações constam da defesa prévia de Edilaira entregue à Justiça Federal do Paraná em um dos processos relacionados à Operação Lava Jato. Ela é acusada, junto com o marido, de ter cometido o crime de lavagem de dinheiro na compra desse imóvel. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), a casa, que tem 601,20 metros quadrados, foi adquirida com dinheiro fruto do esquema de corrupção da Petrobras.
Em sua defesa, a esposa de André Vargas afirmou que trabalha “desde os quinze anos de idade”. “A ré nasceu em uma família humilde, tendo começado a trabalhar antes mesmo de seus quinze anos, em princípio como babá, depois em pequenas lojas de bairro, em empresas, magazines e outros comércios varejistas.”

Em sua exposição, a defesa da esposa do ex-deputado federal alega que ela nunca esteve ligada a atividades ilícitas e que sempre obteve várias rendas. A primeira loja foi um mercado de R$ 1,99. Depois, ela adquiriu uma pequena loja de roupas e hoje vive da renda de pequenas vendas. “Atualmente, portanto, a renda da Ré se perfaz pelo lucro formal obtido pela sorveteria, pela venda dos produtos rurais do sítio e pela venda informal dos perfumes UP, sendo que é com tais valores que mantém a casa desde a prisão do réu André Vargas, com quem vive maritalmente”.
“A atividade formal da ré apenas foi suspensa no período em que sua mãe adoeceu (Alzheimer), ocasião em que investiu o dinheiro da venda da loja em negócios informais. Mesmo grávida e cuidando da mãe, a ré fez da sua casa o seu local de trabalho, criando equipes de mulheres para venda de roupas, perfumes e produtos Herbalife”, complementa a defesa.

O imóvel apontado pelo MPF como adquirido com dinheiro desviado da Petrobras foi sequestrado judicialmente no dia 10 de abril deste ano, quando Vargas foi preso. Apesar disso, Edilaira Soares continua morando no local após autorização da Justiça. Segundo o MPF, a suspeita do crime de lavagem de dinheiro surgiu quando houve diferenças entre os valores citados na compra do imóvel. À Receita Federal, os dois afirmaram que compraram a casa por R$ 500 mil. No entanto, o vendedor responsável pela negociação disse aos investigadores que o imóvel custou R$ 980 mil.
“A própria Receita Federal concluiu que não poderia, licitamente, haver divergência, e tão expressiva, de informações quanto ao valor da operação imobiliária”, afirmou o MPF na denúncia contra Edilaira Soares.
Congresso em Foco

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens