Cruvinel: O que Dilma fará com a terceirização

WhatsApp
Facebook
Twitter

Colunista do 247, Tereza Cruvinel avalia que a presidente Dilma Rousseff marcaria pontos com sua arredia base social se declarasse logo a intenção de vetar o projeto da terceirização; a jornalista diz que se sancionar o PL, mesmo numa versão atenuada pelos destaques e pela votação no Senado, estará chancelando algo que desagradou profundamente os que vivem do trabalho; “Se vetar, e o Congresso derrotá-la derrubando o veto, estará livre de qualquer compromisso com uma proposta socialmente retrógrada”, afirma; nesta quarta (15), movimentos sociais e sindicatos de todo o país fizeram paralisações contra o projeto da terceirização; pressionada, a Câmara adiou a votação dos destaques da lei para a próxima semana

Tereza Cruvinel – Se a votação dos destaques do projeto de terceirização de mão de obra tivesse continuado ontem, seus defensores teriam sofrido uma severa derrota e o projeto sairia bem mutilado. Entre a votação do texto básico na semana passada e a noite desta terça-feira os deputados sentiram, nas bases e nas redes sociais, o tamanho da reação à proposta que permite a terceirização ampla, geral e irrestrita. Muitos recuaram. E vimos PSDB e PT votando juntos para aprovar a emenda tucana que proíbe terceirização nas empresas estatais.

Este projeto pode ser um divisor de águas. Nesta primeira fase, ele produziu alguns efeitos políticos dignos de nota, especialmente para o PT, que votou contra o texto básico juntamente com o PC do B e o PSOL. “Há tempos a bancada do PT não votava totalmente unida como neste caso. A terceirização também fortaleceu nossos laços com os sindicatos e movimentos sociais”, diz o deputado petista Paulo Pimenta.

Um vídeo produzido pela assessoria da bancada mostrando os efeitos da terceirização sobre a qualidade das relações trabalhistas teve mais de cinco milhões de acessos no site do partido. Dilma também marcaria pontos com sua arredia base social se declarasse logo a intenção de vetar o projeto. Se o sancionar, mesmo numa versão atenuada pelos destaques e pela votação no Senado, estará chancelando algo que desagradou profundamente os que vivem do trabalho. E ninguém se lembrará, no futuro, que a iniciativa foi do Congresso e não do governo.

Mas na entrevista aos blogueiros ela foi evasiva. Lembrou apenas que os sindicatos estão divididos. CUT é contra, Força Sindical é a favor. Aliás, foi o deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, que vendo a vaca ir para o brejo propôs o adiamento da votação dos demais destaques. Dilma poderia ter sido mais enfática, dizendo taxativamente que é contra, assim como já fez em relação á PEC que reduz a maioridade penal.

Se vetar, e o Congresso derrotá-la derrubando o veto, estará livre de qualquer compromisso com uma proposta socialmente retrógrada.

Abaixo matéria da Agência Brasil sobre as manifestações que ocorreram em 22 Estados contra o PL da terceirização:

Sindicatos fizeram hoje (15) protestos em pelo menos 22 estados contra o projeto de lei que regulamenta a terceirização no Brasil, aprovado na Câmara no dia 8. Durante a tarde e início da noite, houve manifestações em São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Sergipe, Bahia e no Distrito Federal. Alguns desses estados, ocorreram atos tanto à tarde quanto pela manhã

Os protestos, que integram o Dia Nacional de Paralisação contra o Projeto de Lei (PL) 4.330/2004, ocorreram ainda em Alagoas, Amapá, Goiás, Piauí, Paraíba, Paraná, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Pará, Acre, Maranhão, Rondônia, Ceará.

Há registro de ao menos um confronto entre policiais militares e manifestantes, que aconteceu em Vitória. As manifestações são organizadas por sindicatos filiados à Central Única dos Trabalhadores (CUT) e outras centrais sindicais.

Houve paralisações no transporte público em pelos menos cinco capitais, segundo a CUT: Florianópolis, Porto Alegre, Salvador, Recife e Brasília. O Dia Nacional de Paralisação contra a Lei da Terceirização também inclui passeatas, manifestações e paralisações em diversos estados.

Nesta tarde, manifestantes de centrais sindicais se concentraram na Rodoviária do Plano Piloto, em Brasília. Em São Paulo, fizeram um ato político em frente à sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), onde queimaram bonecos representando o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, o deputado federal Paulinho da Força (SD-SP) e o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), fizeram uma caminhada na Avenida Paulista.

No Rio de Janeiro, os manifestantes iniciaram o ato na Cinelândia, em frente à Câmara Municipal, com o apoio de um carro de som. Ocorreram protestos durante a tarde ainda em Belo Horizonte, Salvador, Recife, Natal, Florianopolis e Aracaju. As cidades de Maceió, Fortaleza, Macapá, Goiânia, Teresina, João Pessoa, São Luís, Porto Velho, Rio Branco, Rio de Janeiro e Belém, entre outras, tiveram manifestações pela manhã.

Policiais militares e manifestantes entraram em confronto em Vitória (ES). Durante o tumulto, a PM utilizou bombas de efeito moral para tentar dispersar os participantes do protesto. A assessoria da Secretaria Estadual de Segurança Pública e Defesa Social informou à Agência Brasil que o direito à manifestação está sendo respeitado, mas que o uso da força policial foi necessário para cumprir uma decisão judicial de ontem (14), que determinou que não houvesse fechamento de vias de acesso à capital.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens