Cunha condiciona acerto com governo à permanência na presidência da Câmara

WhatsApp
Facebook
Twitter

Pedro Ladeira
Pedro Ladeira

Josias de Souza
Num instante em que Dilma Rousseff alardeia que jamais participará de negociações que envolvam “malfeitos” e desafia seus rivais a indicarem uma nódoa que comprometa sua “reputação ilibada”, o governo se oferece para ser a boia de salvação de Eduardo Cunha. O que parecia inviável até o início da semana tornou-se provável nas últimas horas. O deputado já orçou para o governo o preço do arquivamento do impeachment. Envolve sua permanência na presidência da Câmara. O que pressupõe o sepultamento do pedido de cassação que corre contra ele no Conselho de Ética da Casa.

O governo busca celebrar com Cunha um acerto do tipo ‘uma mão lava a outra’. Participam da operação a própria Dilma, representada nas conversas pelo ministro Jaques Wagner (Casa Civil), e o antecessor Lula, que desembarcou em Brasília no final da tarde desta quarta-feira. Por sugestão de Lula, foi atraído para a articulação o vice-presidente Michel Temer. Beneficiário direto de um eventual afastamento de Dilma, Temer almoçou nesta quarta-feira com Cunha e o presidente do Senado, Renan Calheiros. Fez isso a pedido de Wagner. Durante o repasto, Cunha sinalizou pela primeira vez a hipótese de mudar de lado. Antes fechado com a oposição, ele disse que, se o governo o tratar bem, saberá retribuir.

De saída, Cunha cobra o enquadramento do pedaço da bancada federal do PT que deseja ver sua cabeça apartada do pescoço. Dos 62 deputados petistas, 34 subscreveram o pedido de cassação do mandato de Cunha protocolado no Conselho de Ética da Câmara pelo PSOL e pela Rede Sustentabilidade. Entre os rebelados estão petistas da Bahia, vinculados ao negociador Jaques Wagner. Por exemplo: a deputada Moema Gramacho e os deputados Jorge Solla e Afonso Florence.

Lula já providenciou um pré-enquadramento do PT. Evitou que o movimento dos petistas anti-Cunha fosse vendido como posição partidária. E providencia para que a legenda evite que as assinaturas se transformem em votos contra Cunha. Em diálogo privado, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) disse a um interlocutor que, se o governo negociar os votos dos petistas que querem o escalpo de Cunha, talvez não consiga entregar a mercadoria.

Cunha tampouco se dispõe a entregar seu trunfo de bandeja para o governo sem um mínimo de segurança quanto às contrapartidas. Ele sinaliza a intenção de cozinhar o pedido de impeachment em banho-maria até que sejam dissolvidas as dúvidas. O deputado trabalha, por exemplo, com a hipótese de aguardar pelo julgamento no plenário do STF das três liminares que suspenderam nesta semana a eficácia das regras para a tramitação do processo de impeachment. Regras que ele havia adotado em combinação com os partidos de oposição.

As liminares do STF, expedidas pelos ministros Teori Zavascki e Rosa Weber, propiciaram a abertura de diálogo do governo com Cunha. Nos subterrâneos, aliados de Dilma celebram os despachos de Teori e Rosa como presentes de Natal fora de época. Entre as regras que foram suspensas está a que previa um recurso ao plenário caso o presidente da Câmara indeferisse o pedido de impeachment. Inviabilizada essa possibilidade, Cunha passou a ser o juiz monocrático cuja caneta decretará o arquivamento ou a abertura de processo contra a presidente da República.

Conforme já comentado aqui, Cunha levou o impeachment de Dilma ao martelo. Leiloa sua consciência. Recebe lances do governo e da oposição. A julgar pelo que diz aos próprios oposicionistas, o deputado considera que o govenro dispõe de mais cacife para atendê-lo. Insinua que sua condição penal se deteriorou rapidamente graças à sua proximidade com os partidos que se opõem ao Planalto. Faz uma comparação com Renan Calheiros. Insinua que a proximidade de Renan com o Planalto inibe o avanço das investigações contra ele na Lava Jato. Nessa versão, Cunha difunde a tese segundo a qual o ministro petista José Eduardo Cardozo (Justiça) conspiraria contra ele. O presidente da Câmara se associa a Lula no lobby pela substituição de Cardozo.

Hoje, Cunha frequenta os processos da Lava Jato na condição de denunciado pela Procuradoria no STF por corrupção e lavagem de dinheiro. Se o Supremo aceitar a denúncia, Cunha passa a ser réu. Há, de resto, as provas enviadas pela Promotoria da Suíça ao Brasil, comprovando que Cunha e parentes dele mantêm naquele país milionárias contas secretas. Esse material deve fundamentar uma nova denúncia contra Cunha no Supremo.

Se conseguir firmar um entendimento com Cunha, o governo de Dilma alcançará o ápice da eficiência. Ele mesmo permitiu que Cunha realizasse rentáveis negócios na Petrobras. Ele mesmo fechou os olhos para as propinas que escorregaram para as contas do deputado. E ele mesmo negocia com Cunha um acordo para livrá-lo pelo menos da cassação. O problema desse tipo de acordo é que as engrenagem da Lava Jato continua rodando. Nessa matéria, uma mão pode até lavar a outra. Mas o resto continua sujo.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens