Levy: Concessões dependem de ajustes para deslanchar

WhatsApp
Facebook
Twitter



Valter Campanato/Agência Brasil:
As concessões de portos, rodovias, ferrovias e aeroportos à iniciativa privada dependem do ajuste fiscal para deslanchar, disse nesta quarta (14) o ministro da Fazenda, Joaquim Levy; ao encerrar audiência pública na Câmara, ele reiterou a importância de um Orçamento equilibrado para melhorar o ambiente de negócios no país e atrair investidores; “Vamos continuar a trabalhar para acelerar o Plano Nacional de Exportação e o Programa de Investimentos em Logística. São programas que dependem de investimento privado. Para isso, precisamos ter um Orçamento claro, seguro, que vai ser caminho para atrair mais investimento para que as concessões sejam um sucesso”, declarou o ministro na última intervenção na audiência pública, que durou quatro horas

Agência Brasil – As concessões de portos, rodovias, ferrovias e aeroportos à iniciativa privada dependem do ajuste fiscal para deslanchar, disse hoje (14) o ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Ao encerrar audiência pública na Câmara dos Deputados, ele reiterou a importância de um Orçamento equilibrado para melhorar o ambiente de negócios no país e atrair investidores.

“Vamos continuar a trabalhar para acelerar o Plano Nacional de Exportação e o Programa de Investimentos em Logística. São programas que dependem de investimento privado. Para isso, precisamos ter um Orçamento claro, seguro, que vai ser caminho para atrair mais investimento para que as concessões sejam um sucesso”, declarou o ministro na última intervenção na audiência pública, que durou quatro horas.

Assim como traz efeitos benéficos para a indústria, a alta do dóla também beneficiará o turismo, disse Levy. Ele ressaltou, no entanto, que as concessões de aeroportos são essenciais para melhorar a infraestrutura para os visitantes. “O câmbio vai ajudar o turismo se a gente ajudar com infraestrutura. Os aeroportos são exemplo para isso”, destacou.

O ministro alertou que a aprovação de um Orçamento sem a meta de superávit primário – economia para pagar os juros da dívida pública – de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país) pode levar à perda do controle sobre o tamanho da dívida pública. Segundo Levy, no limite, o Brasil pode perder o grau de investimento, que funciona como um selo de que não há risco de o país dar calote na dívida pública.

“Evidentemente, se não tivermos um Orçamento robusto [para o próximo ano], teremos problema. A questão é que isso terá efeito ruim sobre nossa dívida. Não ter um Orçamento que garanta o grau de investimento é botar orçamento em risco. Ninguém quer isso”, disse Levy, apelando para que o Congresso aprove propostas como a recriação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), a repatriação de recursos do exterior e as demais medidas que permitam ao governo ampliar a arrecadação em um ano de crise.

Como em outras ocasiões ao longo da audiência, Levy ressaltou que o Orçamento equilibrado representa a primeira etapa para a recuperação da economia. As outras são a recuperação do crédito e da demanda provocada pela melhoria do ambiente de negócios e a votação de reformas estruturais que aumentem a produtividade e melhorem a competitividade, como as reformas previdenciária, tributária e trabalhista.

“O Orçamento de 2016 é robusto, firme, com as receitas necessárias e com atenção no gasto público. Com o início das reformas estruturais, o [equilíbrio] fiscal põe a gente no início da recuperação muito rapidamente. Esse é o caminho para termos mais crédito e reduzir a inflação, dando uma sinalização para ver a economia voltar a crescer”, acrescentou o ministro. “A gente quer que os carrinhos de compra voltem a estar cheios. Para isso, o que a gente precisa é desse plano em três etapas.”

Simplificação de tributos

Entre as medidas necessárias para recuperar a produção, Levy citou a simplificação do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), tributos cobrados sobre o faturamento das empresas.

Ele também citou a unificação do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) interestadual, que poria fim à guerra fiscal, e a aprovação das propostas que permitem a repatriação de recursos mantidos legalmente no exterior e introduzem a alíquota progressiva de Imposto de Renda sobre ganhos de capital.

Segundo o ministro, a retomada do crescimento é um trabalho que exige cooperação não apenas do governo, mas de todos os partidos políticos e setores da sociedade.

“Equilibrar contas públicas não é trabalho apenas do governo, mas do Brasil. A gente dar o rumo fiscal é trabalho do Brasil para o Brasil, para cada mãe e cada criança deste país. Não se trata de decisão partidária, mas de decisões imprescindiveis para o país voltar a crescer”, concluiu o ministro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens