Renan elogia Cunha e prevê meses nebulosos

WhatsApp
Facebook
Twitter



Ao fazer um balanço das atividades do Senado durante o primeiro semestre, o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), criticou duramente as medidas contidas no ajuste fiscal proposto pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, as quais chamou de “tacanhas” e” insuficientes”; o peemedebista também disse que o país vive “um filme de terror” em função da atual crise econômica e política, o que fará com que os próximos meses sejam “nebulosos”; ele também fez elogios ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ao afirmar que “a atuação dele [Eduardo Cunha], sua independência, colaborou muito para este momento do Congresso Nacional”; Renan e Cunha não escondem escondem a insatisfação por estarem na mira da Lava Jato e devem complicar a vida do governo no Congresso nos próximos meses

247 – O balanço do primeiro semestre feito pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), em cadeia de televisão serviu para que sentasse a borduna contra o governo da presidente Dilma Rousseff. Em sua fala, o peemedebista chamou a medidas contidas no ajuste fiscal proposto pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, de “tacanhas” e” insuficientes”, além de dizer que o país vive “um filme de terror” em função da atual crise econômica e política, o que fará com que os próximos meses sejam “nebulosos”. Ele também fez elogios ao presidente da Cãmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ao afirmar que “a atuação dele [Eduardo Cunha], sua independência, colaborou muito para este momento do Congresso Nacional”.

“O ajuste é insuficiente e tacanho. Até aqui, quem pagou a conta foi o andar de baixo. Esse ajuste sem crescimento econômico é cachorro correndo atrás do rabo, circular, irracional e não sai do lugar. É enxugar gelo até ele derreter. É preciso cortar ministérios, cargos comissionados, fazer a reforma do Estado e acabar com a prática da boquinha e apadrinhamento”, disparou Renan em um pronunciamento de quase 17 minutos veiculado pela TV Senado.

Para o peemedebista, a atual crise econômica e política colocaram o país como protagonista de m filme de horror. “Estamos na escuridão assistindo a um filme de terror sem fim e precisamos de uma luz indicando que o horror terá fim. O país pede isso todos os dias”, afirmou. Renan, cujo partido integra a base governista, em nenhum momento citou o nome da presidente Dilma Rousseff, mas aproveitou o tempo para atacar o governo. Segundo ele, o governo ignorou as tentativas do Congresso de minimizar as perdas dos trabalhadores e aposentados em função do ajuste fiscal.

O parlamentar também previu que o governo terá dificuldades para aprovar junto ao Congresso Nacional medidas que digam respeito a aumentos de impostos. Para ele, os próximos meses serão “nebulosos”. “Não diria que será um agosto ou um setembro negro, mas serão meses nebulosos. Os resultados do ajuste são modestos, muito aquém do prometido. O Congresso, majoritariamente, é refratário a aprovar novos tributos ou impostos. A sociedade já está no seu limite suportável com tarifaços, inflação e juros. Estamos num momento aterrador (…). Uma retração na economia. O ajuste está se revelando um desajuste social. Ele é um fim em si mesmo. Ele nem aponta, nem sinaliza, nem indica, nem sugere quando o país voltará a crescer”, disse.

O peemedebista afirmou, ainda, que diante deste cenário os parlamentares não serão vistos como “agentes da instabilidade”, mas que irão fazer o possível para proporcionar estabilidade e tranquilidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens