MP estima em R$ 1 bilhão propina da Odebrecht

WhatsApp
Facebook
Twitter



Procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, detalhou em coletiva de imprensa 22 novas denúncias do Ministério Público na 14ª fase da investigação; em sua fala, ele mirou principalmente a Odebrecht, presidida por Marcelo Odebrecht, e a Andrade Gutierrez, presidida por Otávio Azevedo; os dois estão presos e foram denunciados nesta sexta por corrupção, lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa; o MPF busca em ressarcimento R$ 6,7 bilhões da Odebrecht e R$ 486 milhões da Andrade; Deltan afirmou que “ninguém está acima da lei” e alfinetou a Odebrecht e as notas divulgadas pela empresa: “Nós nos aproximamos da verdade por meio de provas e documentos, e não por meio de notas à imprensa”; segundo ele, “o sonho do Ministério Público é que todos sejam tratados de forma igual perante à lei. A Lava Jato é o suspiro de esperança”

Paraná 247 – O procurador do Ministério Público Federal Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, detalhou, em coletiva de imprensa concedida nesta sexta-feira, 22 novas denúncias referentes à 14ª fase da investigação.

Em sua explicação, ele mirou principalmente a Odebrecht e a Andrade Gutierrez, cujos presidentes, Marcelo Odebrecht e Otávio Azevedo, estão presos desde junho. Os dois foram denunciados hoje por corrupção, lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa.

Segundo ele, o MPF estima em R$ 1 bilhão as propinas da Odebrecht. O órgão busca R$ 6,7 bilhões em ressarcimento da Odebrecht e R$ 486 milhões da Andrade Gutierrez. Segundo o procurador, a Lava Jato já restituiu R$ 870 milhões aos cofres públicos até o momento.

Deltan voltou a mencionar, como em outras ocasiões, que tratam-se de cifras históricas e um caso chocante de corrupção.

Ele alfinetou a Odebrecht ao dizer que as notas divulgadas pela empresa à imprensa, negando envolvimento nas acusações, não condizem com os fatos.

“Nós nos aproximamos da verdade por meio de provas e documentos, e não por meio de notas à imprensa”, disse, lembrando que as informações concedidas pela empreiteira não condizem com documentos enviados da Suíça. “Não existe espaço na investigação para teorias da conspiração”, acrescentou.

Ele concluiu seu discurso dizendo que o Ministério Público Federal tem um sonho, que é compartilhado com a sociedade brasileira. “O sonho de que todos sejam tratados de forma igual perante à lei. A Lava Jato é o suspiro de esperança”, afirmou. “Ninguém está acima da lei”, ressaltou.

Abaixo, reportagem da Agência Brasil a respeito:

MPF denuncia investigados ligados à Odebrecht e à Andrade Gutierrez

Andre Richter – O Ministério Público Federal (MPF) ofereceu denúncia hoje (24) à Justiça Federal em Curitiba contra os presidentes das empreiteiras Odebrecht e Andrade Gutierrez e ex-executivos ligados às empresas, pelos crimes de organização criminosa corrupção e lavagem de dinheiro cometidos em contratos da Petrobras, de acordo com investigações da Operação Lava Jato. Ao todo, foram denunciadas 22 pessoas.

Pela Odebrecht, foram denunciados o presidente da empresa, Marcelo Bahia Odebrecht, e os executivos Márcio Faria da Silva, Cesar Ramos Rocha e Alexandrino de Salles de Alencar. Ligados à Andrade Gutierrez, foram denunciados o presidente da empresa, Otávio Marques de Azevedo, os executivos Rogério Nora de Sá, Elton Negrão de Azevedo Júnior, Paulo Roberto Dalmazzo, Flávio Magalhães e Antônio Pedro Campello. Além dos executivos, também foram denunciados Celso Araripe, ex-funcionário da Petrobras, e outros operadores que auxiliaram na lavagem de dinheiro.

Durante a entrevista à imprensa, o procurador responsável pela força-tarefa de investigação da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, destacou que a apuração é um “momento histórico” no combate à corrupção e que a “impunidade foi rompida” no país. De acordo com o procurador, a investigação já conseguiu recuperar R$ 870 milhões, cujos valores desviados da Petrobras trouxeram “cicatrizes para a saúde e para a educação”. “Por mais poderosos que sejam seus autores [dos crimes], ninguém esta acima da lei”, disse.

Em junho, os executivos da Odebrecht e da Andrade Gutierrez foram presos na décima quarta fase da Lava Jato, chamada Erga Omnes, uma expressão usada no meio jurídico para indicar que os efeitos de algum ato ou lei atingem todos os indivíduos.

Nesta sexta-feira, a Justiça Federal no Paraná decretou nova prisão preventiva do presidente da construtora Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e de mais quatro diretores da empresa.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens