TCU traz de volta a agenda do Impeachment

WhatsApp
Facebook
Twitter



Ao analisar a decisão do Tribunal de Contas da União de ontem, que deu prazo para que Dilma Rousseff se pronuncie sobre as chamadas “pedalas fiscais”, a colunista do 247 Tereza Cruvinel afirma que “o que os tucanos tanto procuraram, a base jurídica para o pedido de abertura do processo de impeachment, poderia estar aparecendo agora”; ela lembra que o “crime de responsabilidade” abriria brecha ao partido de Aécio Neves; a proposição, destaca ainda Tereza, passaria pelas mãos de Eduardo Cunha (PMDB) na Câmara e terminaria no Senado, sob o comando de Renan Calheiros (PMDB); “Dilma terá que fortalecer seu núcleo técnico e jurídico para produzir as explicações pedidas, dentro de 30 dias. Não pode perder tempo”, diz

por Tereza Cruvinel

Antes da batalha política, Dilma precisa vencer a batalha jurídica

Quando começava a ser arquivada, a agenda do impeachment da presidente Dilma voltou à cena com a decisão do TCU de conceder 30 dias para que ela responda pessoalmente aos questionamentos do relator Augusto Nardes sobre a prestação de contas do governo relativa a 2014. Este procedimento sem precedentes na história republicana deixou o governo apreensivo e os adversários exultantes. O que os tucanos tanto procuraram, a base jurídica para o pedido de abertura do processo de impeachment, poderia estar aparecendo agora.

Os termos usados pelo relator, no voto aprovado pelo plenário da corte, não deixam dúvidas de que haverá a rejeição das contas. Nardes listou 13 falhas da prestação de contas que terão de ser explicadas e usou adjetivos fortes, dizendo inclusive que a Lei de Responsabilidade Fiscal não pode “ser jogada pela janela”. Estimou em R$ 110 bilhões, por exemplo, a diferença entre a receita projetada e a realmente obtida no ano passado, às quais o governo não teria ajustado seus gastos e sua execução orçamentária.

Mas, entre a rejeição das contas e o impeachment, qual é relação direta e qual é a distância jurídica? Isso é que não chegou a ser examinado nas caudalosas matérias publicadas sobre o assunto. O TCU, ao decidir que Dilma terá de explicar pessoalmente as irregularidades encontradas na prestação de contas, sugere que a responsabilidade é unica e exclusivamente dela. Mas isso não é pacífico e deve ser objeto de uma grande batalha jurídica, diz um experiente advogado, preferindo não ser identificado, ao examinar comigo o que diz a Constituição sobre o assunto.

O artigo 46, ao definir competências exclusivas do Congresso, estabelece no inciso IX “julgar anualmente as contas prestadas pelo presidente da República e apreciar relatórios sobre a execução de planos de governo”. O Artigo 71 diz que o Controle Externo do Poder Executivo será exercido pelo Congresso com o auxílio do TCU, ao qual competirá uma série de providências neste sentido. Entre elas, “apreciar as contas prestadas anualmente pelo presidente da República”. Logo, o Congresso irá mesmo, em algum momento, apreciar as contas que já terão sido “apreciadas” pelo TCU. O tribunal, então, aprecia. O Congresso, julga.

Mas o inciso seguinte do mesmo artigo 71 diz que compete também ao tribunal “julgar as contas dos administradores e demais responsáveis por dinheiros, bens e valores públicos da administração direta e indireta (….) e as contas daqueles que derem causa a perda, extravio ou outra irregularidade de que resulte prejuízo do erário público”. O inciso seguinte diz que o TCU poderá punir estes responsáveis, inclusive com multas compatíveis com as perdas causadas;

Aqui entra a pergunta: quem são os “administradores e responsáveis” que o TCU pode julgar e punir? Serão os ministros da área, no caso os da Fazenda e Planejamento, ou a própria presidente? Nosso consultor-advogado acha que apenas os ministros podem ser punidos pelo TCU, cabendo ao Congresso julgar o conjunto da prestação de contas. No ambiente politico atual, o Congresso acolheria a recomendação de rejeição do TCU.

Em nenhum momento a Constituição diz textualmente o que acontecerá ao presidente que tiver suas contas rejeitadas. Mas o artigo 85, ao definir os crimes de responsabilidade do presidente da República lista “os atos que atentarem contra a Constituição Federal e especialmente contra a existência da União; o livre exercício dos outros poderes, o livre exercício dos direitos políticos individuais e coletivos, a segurança interna do país e, preste-se muita atenção, a probidade administrativa e a lei orçamentária”.

Ora, os problemas apontados pelo relator no TCU envolvem a lei orçamentária, que teria sido descumprida. Se o governo não convencer o TCU, e se o Congresso rejeitar a prestação de contas, pode estar criada a brecha jurídica para a proposição de um processo de impeachment, aquilo que os tucanos buscaram mas ainda não haviam encontrarado. A proposição seria votada pela Câmara sob o comando de quem? Ele mesmo, Eduardo Cunha. E se aprovada, o presidente seria afastado temporiamente e teria curso o julgamento pelo Senado, que pode terminar com a aprovação do impeachment. Sob o comando de quem? Ele mesmo, Renan Calheiros.

Mas antes de uma eventual batalha política, haverá a batalha jurídica. Todo o esforço do governo agora deve ser para convencer o TCU de que seus procedimentos não violaram nem a lei orçamentária nem a de responsabilidade fiscal. E esta defesa terá que ser muito consistente. Não basta o ministro-chefe da AGU dizer que “sempre foi assim”. numa referência às tais pedaladas fiscais. Dilma terá que fortalecer seu núcleo técnico e jurídico para produzir as explicações pedidas, dentro de 30 dias. Não pode perder tempo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens