Trégua de Carnaval chega para aliviar caos político

WhatsApp
Facebook
Twitter

 
Estavam todos precisando; sob pressão, presidente Dilma Rousseff teve até de ouvir falar em impeachment, cuja fofoca começou com o ex-presidente Fernando Henrique; para recuperar espaço, ex-presidente Lula admitiu ser candidato a candidato em 2018; presidente da Câmara, Eduardo Cunha, obteve diversas vitórias, mas foi chamado de impetuoso por seu próprio partido, o PMDB, que lhe requer moderação; pró-governo, presidente do Senado, Renan Calheiros, sofreu aperto de centrais sindicais para barrar ajuste do ministro Joaquim Levy; em São Paulo, governador Geraldo Alckmin e prefeito Fernando Haddad perderam popularidade; agora, porém, estresse geral entra em recesso de Carnaval; Ufa!
247 – Poucas vezes o Carnaval foi tão bem vindo para os políticos, tanto governistas como oposicionistas. A começar da presidente Dilma Rousseff, que enfrenta desde sua reeleição uma forte pressão multilateral, todos os principais personagens da cena nacional estavam mesmo precisando de uma trégua que congelasse suas diferenças. Nem que esse espaço de paz armada seja apenas o dos quatro dias de folia, quando o País deve se desligar de sua agenda de crise sobre crise para tentar se divertir no meio da rua.

A paradinha do Carnaval é especialmente positiva para Dilma. Durante a semana, ele se encontrou com Lula e, em seguida, com seu marqueteiro João Santana, em busca de conselhos para retomar a iniciativa. Escaldada pelos efeitos dos escândalos da operação Lava Jato, a presidente fechou-se com seu núcleo duro e chegou a passar a mensagem de que havia recuado frente às primeiras dificuldades de seu iniciante segundo mandato.

Houve espaço até mesmo para a circulação de fofocas sobre a articulação de um impeachment, iniciadas com um pedido de parecer sobre o tema, pelo ex-presidente Fernando Henrique, ao jurista Ives Gandra Martins. Em meio a esse burburinho, divulgação da pesquisa Datafolha com uma queda de 19 pontos percentuais na popularidade dela apenas agravou a fase de baixo astral no Palácio do Planalto.

Dilma conseguiu chegar às portas do Carnaval, porém, saboreando altas de 10% nas ações da Petrobras. Foi um sinal do mercado de que a escolha de Aldemir Bendine, ex-Banco do Brasil, para a presidência da Petrobras começou a ser melhor assimilada. De resto, a presidente ganhou uma folga para assimilar o que ouviu de seus velhos conselheiros. O Carnaval será bom para ela pensar em seus próximos passos.

Também será bom para Lula, que entrou em cena, na última semana, deixando claro aos caciques do PT que pretende ser candidato a presidente em 2018. Em baixa com Dilma, ele voltou a ocupar espaço diante da elevação da pressão sobre ela – e terá até a Quarta-feira de Cinzas para avaliar o que pode fazer para ir colocando, ao longo dos próximos anos, seu bloco na rua outra vez.

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, é outro com bons motivos para saudar a chegada do Carnaval. Seu plano de ajuste nas contas públicas foi bombardeado fortemente no Congresso, que até aprovou a obrigatoriedade do Tesouro de financiar integralmente as emendas de parlamentares ao Orçamento da União. Ao mesmo tempo, o ministro foi alvo de disparos feitos pelas centrais sindicais, revoltadas com sua iniciativa de cortar benefícios trabalhistas. A pausa momesca sem dúvida será útil para Levy formular suas alternativas.

No Congresso, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, obteve importantes vitórias após sua posse. Uma delas foi a de aprovar o chamamento, um a um, de todos os 39 ministros para darem explicações aos parlamentares sobre suas atividades. Com sonhos de vir a disputar o governo do Rio de Janeiro em 2018, Cunha poderá curtir a festa em sua terra natal, recarregando baterias para suas próximas batalhas.

O presidente do Senado, Renan Calheiros, que tentava passar despercebido, foi chamado a se opor ao governo, do qual é aliado, pelas centrais sindicais – e os quatro dias de farra nacional lhe serão úteis para que volte a se afastar da cena principal, como ele mesmo vinha procurando fazer.

No maior Estado e da maior cidade do País, o governador tucano, Geraldo Alckmin, e o prefeito petista, Fernando Haddad, caíram fortemente em popularidade. O primeiro enfrenta uma dura crise de falta d‘água, enquanto o segundo vai pelejando pela implantação de ciclofaixas que têm despertado muitas reações em contrário. Parar para celebrar desfiles e momentos de festa será muito bom para ambos.

Assim é que todos, a princípio, saem ganhando com a interrupção. Na próxima semana, afinal, com apenas dois dias úteis para trabalhar, o muito mais provável é que os políticos do Congresso façam gazeta e as crises do diz-que-diz só retornem na outra semana. Ufa!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens