“Pedaladas‘ não devem sustentar Impeachment‘

WhatsApp
Facebook
Twitter

Roberto Stuckert Filho/PR:
A hipótese de denunciar a presidente Dilma Rousseff por crime de responsabilidade por conta das manobras fiscais realizadas em 2013 e 2014 pela equipe econômica não tem envergadura para amparar um pedido de impeachment; proposta é a nova esperança da oposição, capitaneada pelo senador Aécio Neves (PSDB); segundo a colunista do 247 Tereza Cruvinel, entre as dificuldades que Aécio e companhia irão esbarrar está a previsão constitucional de que a presidente não pode responder por atos anteriores ao exercício do cargo; o dispositivo foi lembrado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, quando negou-se a pedir investigações contra Dilma na lista enviada ao Supremo; “Se o governo continuar corrigindo o curso dos desacertos políticos e deixar para trás o labirinto em que se encontrava dias atrás, a nova aposta da oposição também será infrutífera”, avalia

Por Tereza Cruvinel

Na ausência de elementos que fundamentem a abertura de um processo de impeachment contra a presidente Dilma, relacionando-a com os ilícitos investigados pela Operação Lava Jato, esta semana o PSDB passou a apostar na hipótese de denunciá-la por crime de responsabilidade por conta das manobras fiscais (as tais “pedaladas”) realizadas em 2013 e 2014 pela equipe econômica para fechar as contas públicas. Governo e PT foram a campo examinar com juristas o risco real de que isso possa acontecer e saíram convencidos de que ele não existe.

A aposta do PSDB e oposições ganhou força com a aprovação pelo TCU, na quarta-feira, do parecer do ministro José Múcio, enquadrando os responsáveis pela área econômica em crime de responsabilidade. “Vamos examinar se isso se estenderá também à presidente”, disse o senador Aécio Neves hoje, adiantando que em caso positivo seu partido pedirá a abertura do processo à Câmara.

Alguns juristas renomados, além de advogados da União, avaliaram informalmente que Dilma não será alcançada pela decisão o TCU apresentando dois argumentos.

O primeiro é o de que a presidente da República, por previsão constitucional expressa, não pode responder por atos anteriores ao exercício do cargo. As “pedaladas” ocorreram no primeiro mandato, e não no atual. Este foi o argumento utilizado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, quando negou-se a pedir a abertura contra de investigações contra ela, quando fez a denúncia que envolve 56 políticos relacionados com a Operação Lava Jato, entre eles os presidentes da Câmara e do Senado.

O segundo é o de que, apesar do parecer do TCU, as manobras fiscais de 2014 foram sanadas e sancionadas pelo próprio Congresso quando aprovou, no final do ano passado, uma MP que alterou a base de cálculo do superávit primário. Este argumento, entretanto, tem menor consistência: embora as contas tenha sido acertadas pela alteração que passou a contabilizar as desonerações fiscais concedidas pelo governo como investimentos, o questionamento principal do TCU diz respeito ao pagamento de encargos do governo pela CEF e o Banco do Brasil, sem que o governo tenha feito os devidos repasses aos dois bancos públicos. E não apenas em 2014, mas também em 2013.

Interpretações jurídicas, entretanto, dependem muito da correlação de forças na política. Se o governo continuar corrigindo o curso dos desacertos políticos (pois na economia já vem fazendo um ajuste avaliado hoje como “aceitável” pelo FMI), e deixar para trás o labirinto em que se encontrava dias atrás, a nova aposta da oposição também será infrutífera. Assim como pode ganhar viabilidade se a tormenta voltar fustigar Dilma e o Planalto, apesar do inferno do PT com a prisão de Vacari.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas Notícias

Screenshot_20240718_121050_WhatsApp
Luto - Adalberto Mendanha
Screenshot_20240714_160605_Chrome
Luto - Morre Dalton di Franco
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
IMG-20240624-WA0159
Luto - Morre Salvador Santos
Screenshot_20240305_093343_Gallery
Unimed -Teleconsulta
Screenshot_20240312_051459_Facebook
Luto – Gertudes Alves Araujo Finzes
Screenshot_20240304_182440_WhatsApp
Nota de pesar - Francisco Candido Marcolino Neto
Screenshot_20240123_061932_Chrome
Bancada sindical busca consenso para apresentar contraproposta na MNNP

Últimas do Acervo

Screenshot_20240719_062109_Chrome
Dois anos da morte da morte do colega João Caetano da Silva.
Screenshot_20240719_061523_Chrome
Quatro anos da morte da morte do colega Antonio Jose Lizardo.
Screenshot_20240711_181900_WhatsApp
Um ano do falecimento do colega Jose Henrique da Silva.
Screenshot_20240711_123156_Chrome
Nove anos da morte do colega Justino Alves
Screenshot_20240702_125103_WhatsApp
Luto - Cleuza Arruda Ruas
Screenshot_20240702_102327_WhatsApp
Corpo de Bombeiros conduz o corpo do Colega Jesse Bittencourt até o cemitério.
Screenshot_20240701_163703_WhatsApp
Luto - Jesse Mendonça Bitencourt
Screenshot_20240610_144417_Chrome
Um ano da morte do colega Joao Couto Cavalcante
Nossa capa de hoje daremos destaque à colega Datiloscopista do ex-Territorio, Juliana Josefa da Silva, pessoa muito amável e querida por todos que a conhece.
Coletânea de arquivos fotográficos de companheiros antigos da PC - RO
Screenshot_20240510_192125_WhatsApp
Um ano da morte da morte do colega Antônio Rodrigues da Silva

Conte sua história

20220903_061321
Suicídio em Rondônia - Enforcamento na cela.
20220902_053249
Em estrada de barro, cadáver cai de rabecão
20220818_201452
A explosao de um quartel em Cacoal
20220817_155512
O risco de uma tragédia
20220817_064227
Assaltos a bancos continuam em nossos dias
116208107_10223720050895198_6489308194031296448_n
O começo de uma aventura que deu certo - Antonio Augusto Guimarães
245944177_10227235180291236_4122698932623636460_n
Três episódios da delegada Ivanilda Andrade na Polícia - Pedro Marinho
gabinete
O dia em que um preso, tentou esmurrar um delegado dentro do seu gabinete - Pedro Marinho.
Sem título
Em Porto Velho assaltantes levaram até o pesado cofre da Padaria Popular
cacoal
Cacoal nas eleições de 1978 - João Paulo das Virgens